Geral

Butantan interrompe nesta sexta-feira envase da CoronaVac por falta de insumos

Crédito: REUTERS/Amanda Perobelli

Butantan informou que, apesar de parar o envase, entregará nesta sexta 1,1 milhão de doses ao Ministério da Saúde, totalizando mais de 47 milhões de doses entregues (Crédito: REUTERS/Amanda Perobelli)

(Reuters) – O Instituto Butantan vai interromper nesta sexta-feira o envase da CoronaVac, vacina contra Covid-19 da chinesa Sinovac, por falta do insumo farmacêutico ativo (IFA) do imunizante mediante entraves no envio pela China, informou a instituição.

O Butantan aguardava a liberação de um novo lote do IFA pela China na quinta-feira, mas o presidente do instituto, Dimas Covas, antecipou na véspera que a previsão não se cumpriria e que não há previsão para que os chineses liberem a próxima exportação.

+ Anvisa autoriza estudo clínico da vacina Covaxin no Brasil
+ Anvisa autoriza uso emergencial de coquetel contra a covid-19

Em nota, o Butantan informou que entregará na sexta 1,1 milhão de doses ao Ministério da Saúde, totalizando mais de 47 milhões de doses entregues, mas que terá de interromper a produção hoje (14).



“Todo o IFA recebido em 19/4 já foi processado e, após a entrega desta sexta-feira, a produção será retomada assim que mais insumos chegarem”, disse o instituto em nota enviada nesta quinta, acrescentando que aguarda autorização do governo chinês para a liberação de mais matéria-prima necessária para a produção da vacina.

O Butantan apontou ainda que “questões referentes à relação diplomática Brasil x China podem, sim, estar interferindo diretamente no cronograma de liberação de novos lotes de insumos”, e garantiu que não há qualquer entrave relativo à disponibilização do IFA por parte da Sinovac.

O instituto é ligado ao governo de São Paulo, cujo governador João Doria é desafeto do presidente Jair Bolsonaro. Na véspera, Doria atribuiu o atraso na liberação do IFA por Pequim ao que chama de “mal-estar diplomático” causado por declarações do presidente e de outras autoridades brasileiras contra a China.

 

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH4C167-BASEIMAGE

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago