Giro

Butantan avaliará imunidade de longo prazo da vacina Coronavac em Serrana

O Instituto Butantan iniciou neste fim de semana uma nova etapa do estudo para entender o impacto da vacina Coronavac no controle da pandemia de covid-19, em Serrana, no interior de São Paulo. A cidade, de 45 mil habitantes, teve toda sua população adulta vacinada como parte do Projeto S, como é chamado o estudo. No novo ciclo, o Butantan vai avaliar a imunidade de longo prazo dos moradores que já tomaram as duas da vacina produzida pelo Instituto e pela farmacêutica chinesa Sinovac.

De acordo com o Butantan, poderão participar desta nova fase da pesquisa, na condição de voluntários, todos os maiores de 60 anos e uma parte de pessoas com menos idade e já vacinadas com a Coronavac. Os candidatos devem se dirigir a uma das oito escolas onde foi realizada a vacinação para que seja colhida uma amostra de sangue. Essa coleta será realizada também nos dias seguintes, até 1º de agosto, das 8h às 16h30.

Ainda segundo o instituto, a nova etapa compreende um estudo de coorte prospectivo, que é uma forma de investigar os aspectos relacionados à transmissão de manutenção da doença, e será acompanhado pelo comitê de ética em pesquisa em seres humanos do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (USP). Após as coletas em Serrana, os testes para avaliar a imunidade dos voluntários serão realizados no Laboratório Estratégico de Diagnóstico do Butantan. Os voluntários serão acompanhados durante um ano.

Efetividade



O projeto já forneceu evidências da efetividade da vacina. Foi observada queda de 80% nos casos sintomáticos da doença, 86% nas internações e 95% nas mortes, após 75% da população adulta ser imunizada. “O estudo agora tem como objetivo estimar e comparar a imunização de adultos e idosos de Serrana, analisar quanto tempo dura a imunidade e avaliar a resposta imune celular”, informou o Butantan.

Um dos pontos que a pesquisa levará em consideração é o processo de envelhecimento do sistema imunológico, que pode interferir na forma como o organismo combate o vírus à medida que o tempo passa.

O projeto vacinou com duas doses 27.160 pessoas maiores de 18 anos, entre o final de março e início de abril deste ano, em Serrana. Outros 5.817 moradores receberam as duas doses pelo Plano Estadual de Imunização. Segundo o Butantan, o estudo clínico da vacinação em massa contra a covid-19 também apontou que a imunização causou um efeito indireto de proteção mesmo para quem não recebeu nenhuma dose da vacina.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago