Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

Burocracia brasileira

Burocracia brasileira

Usar sites de e-commerce para adquirir produtos do exterior agora está mais caro no Brasil. E a culpa não é das empresas que atuam nesse segmento. Na segunda-feira 27, os Correios anunciaram que passariam a cobrar uma taxa de R$ 15 para todas as encomendas que chegassem ao País. Até então, a cobrança só era praticada para as mercadorias que fossem tributadas pela Receita Federal. De acordo com a estatal, a medida foi tomada em função do aumento nas importações. Além de ampliar o custo para o consumidor, a medida é burocrática. Agora, quem estiver esperando por uma encomenda internacional deverá acessar o site dos Correios e realizar o pagamento da taxa. Isso pode ser realizado por meio de cartão de crédito ou boleto bancário. Se isso não for feito em um período de até 30 dias, o produto será reenviado para o remetente.

(Nota publicada na Edição 1085 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O mea culpa do Google

Demorou, mas o Vale do Silício parece estar finalmente tomando atitudes mais rigorosas em relação a casos de assédio. O CEO do Google, [...]

Do console à nuvem

(Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Começo promissor

A startup brasileira Olho do Dono foi considerada a mais promissora do continente na primeira edição TechCrunch Battlefield com [...]

A Ameaça alemã ao Tesla

A Volkswagen quer competir de frente com a Tesla, fabricante americana de automóveis elétricos. A empresa alemã pretende discutir um [...]

1,455 bilhão

É a queantia de smartphones serão vendidos no mundo em 2018, queda de 0,7% sobre 2017. mas a curva voltará a subir. estima-se 1,646 bilhão de aparelhos em 2022. (Nota publicada na Edição 1096 da Revista Dinheiro)

Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.