Giro

Burger King deve indenizar a funcionária chamada de “gorda e feia”

Crédito: Divulgação/Burger King

Clientes que apresentarem seus títulos de eleitor nas lojas do Burger King ganham desconto em alguns produtos (Crédito: Divulgação/Burger King)

Uma empresa não pode exigir padrões estéticos dos seus funcionários. Com esse entendimento, a 5ª Turma do TRT da 2ª Região confirmou a condenação do Burger King ao pagamento de indenização por dano moral por ter tirado o cargo de uma empregada em razão de seu físico.

Segundo a trabalhadora, a gerente lhe informou diretamente que deixaria de ser supervisora de vendas por ser ‘‘gorda e feia’’ e que o padrão era ser “magra, bonita e maquiada”.



+ Vale diz que analisará decisão do TRT-MG sobre indenização a empregados mortos em Brumadinho

As alegações da profissional foram comprovadas por duas testemunhas. Ambas confirmaram as falas da gerente e a prática discriminatória do restaurante, relatando, ainda, que a mulher foi substituída por uma pessoa alinhada aos padrões estéticos desejados pela gerência.

A empresa tentou se livrar da acusação, ao afirmar que não havia hierarquia entre o cargo de supervisora operacional, ao qual a empregada foi deslocada, e seu cargo original. No entanto, as provas testemunhais mostraram que a posição retirada proporciona acesso mais rápido a outras funções.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


Com a decisão, a trabalhadora receberá cerca de R$ 8.500, valor equivalente a cinco vezes sua última remuneração. A empresa foi condenada, ainda, a pagar adicional de insalubridade pela circulação dela em câmaras frias e horas extras.