Negócios

Buffett nega desavenças com Jorge Paulo Lemann sobre gestão da Kraft Heinz

Depois de questionar rumos da companhia, megainvestidor afirmou que o brasileiro é “um bom amigo”. Grupo perdeu 50% do valor em um ano

Crédito: Nati Harnik

Os rumores de tensão surgiram após uma série de maus resultados e trocas no comando da gestão da Kraft Heinz nos últimos meses (Crédito: Nati Harnik)

O mega-investidor Warren Buffett negou os rumores de desavença entre a Berkshire e o grupo 3G, do brasileiro Jorge Paulo Lemann, sobre a gestão da Kraft Heinz. Segundo a CNBC, o “guru de Omaha” afirmou que Lemmann é “um bom amigo” e que planeja se encontrar com o empresário para uma conferência no próximo mês e que estará presente na festa de 80 anos do brasileiro, em agosto.

Os rumores de tensão surgiram após uma série de maus resultados e trocas no comando da gestão da Kraft Heinz nos últimos meses. A companhia perdeu mais de 50% de valor em um ano, além de ser alvo de uma investigação da Comissão de Títulos e Câmbio dos Estados Unidos (SEC, na sigla em inglês) em suas contabilidades de aquisições. Em maio, o grupo disse que revisaria os relatórios financeiros dos últimos três anos após uma investigação interna apontar possíveis irregularidades.

No mês seguinte, Miguel Patrício foi anunciado como novo CEO. Buffett deixou o conselho do grupo em 2018, mantendo o vice-presidente da Berkshire Hathaway, Greg Abel, como representante. “Tanto ele [Greg] como eu estamos satisfeitos com a seleção de Miguel”, disse Buffett.

Recentemente Buffett afirmou que a Berkshire, gestora da Heinz, pagou muito caro ao se fundir com a Kraft, controlada pelo grupo 3G, em 2015. Em maio, durante a reunião anual dos acionistas da Berkshire Hathaway, Buffett e Charlie Munger, vice-presidente da diretoria, afirmaram que o acordo não saiu conforme o planejado.

“Foi uma longa série de transações que funcionaram muito bem e, finalmente, houve uma transação no final que não funcionou tão bem”, disse Munger sobre a parceria com o grupo de Lemmann.