Economia

Brinquedo sexual: isolamento pela Covid-19 impulsiona vendas de produtos

Crédito: Pixabay

Período de isolamento social fez com que mais pessoas recorressem aos brinquedos sexuais para satisfazer seus prazeres (Crédito: Pixabay)


Com as medidas de distanciamento social em vigor por todo o mundo, o mercado de brinquedos sexuais nos Estados Unidos registrou expansão, levando algumas lojas registrarem aumento de 30% no volume de vendas.

Segundo o portal Mashable, desde a semana passada, o site Adam & Eve, que se considera a maior no segmento, viu o volume de vendas aumentar em 30% e vêm registrando crescimento nos números internos. Os vibradores puxam a lista de mais vendidos no portal.

+ Bares e restaurantes pedem ajuda a bancos e alertam para impacto a 6 milhões
+ G20 injeta US$ 5 trilhões na economia para conter coronavírus

Outra empresa, a Emojibator, registrou aumento de 225% nas vendas gerais, que incluem atacado, Amazon e lojas online.

A Dame Products também alcançou um aumento de 30% nas vendas desde o mês passado e observou que pessoas de cidades como Nova York e Los Angeles foram as grandes compradoras.

Concentrador de casos envolvendo o coronavírus no país, Nova York até adotou uma campanha pública, incentivando as pessoas a “se conhecer” e indicando que a melhor forma de se proteger é evitar o sexo com outra pessoa e praticar a masturbação.

Com o aumento das vendas, a Dame doará 1% de suas vendas ao banco de alimentos de Nova York. “Embora nossa marca especial de ‘entretenimento doméstico’ esteja se mostrando bastante popular, sabemos que há muito mais que podemos fazer para ajudar as pessoas a enfrentar essa tempestade”, afirmou Alexandra Fine, CEO e cofundadora da Dame.

Segundo o jornal Le Parisien, o ritmo é o mesmo. A Womanizer viu suas vendas crescerem 40% do que estava previsto para o ano somente em território francês. Os registros da empresa indicam que os pedidos estão aumentando em lugares afetados pelo vírus, com os Estados Unidos, que comprou mais de 75% do previsto. Hong Kong (+71%), Itália (+60%) e Canadá (+135%) seguem a lista.