Economia

Brasileiros perdem conquistas do Real

Crédito: Pixabay

Carne, iogurte, queijo, bolacha recheada, itens que tinham ficado acessíveis nas últimas décadas, agora estão deixando a lista de compras de parte da população (Crédito: Pixabay)



O choque de preços que levou a inflação em março a 1,62%, a maior marca para o mês em 28 anos, e a dos últimos 12 meses a 11,30% provocou uma perda abrupta de conquistas de consumo dos brasileiros desde o Plano Real. Carne, iogurte, queijo, bolacha recheada, itens que tinham ficado acessíveis nas últimas décadas, agora estão deixando a lista de compras de parte da população – o que é o exemplo mais visível de uma situação de perda de renda, desemprego elevado e custos mais altos.

Nos últimos meses, 73,1% dos consumidores deixaram de comprar carne, quase 10% cortaram iogurte, queijo, laticínios e bebidas alcoólicas e perto de 6% não levaram para a casa biscoito e feijão, alimento básico, revela pesquisa do Sindicato do Comércio Varejista de Gêneros Alimentícios do Estado de São Paulo (Sincovaga), feita pela JFP Consultoria e obtida pelo Estadão.

Taxa extra na conta de luz deixa de ser cobrada a partir deste sábado

O estudo, que ouviu no início do mês 200 consumidores com renda familiar de até dez salários mínimos (R$ 12.120) quando faziam compras em supermercados da capital paulista, mostra que 52% deixaram de consumir algum produto entre alimentos, bebidas, itens in natura e artigos de limpeza. Com a disparada dos preços, 79% dos entrevistados passaram a levar um volume menor de itens para casa.



O zelador Marcelo Domingos dos Santos, de 50 anos, é um dos que frearam o consumo. Ele gasta hoje R$ 700 na compra de supermercado, sem levar tudo o que precisa para casa, onde vive com a mulher e dois filhos. Até pouco tempo atrás, desembolsava R$ 500 e saía do supermercado com o carrinho cheio.

“Faz um ano que diminuímos o consumo de carne. Até a moída está difícil de comprar”, diz. O iogurte, um dos símbolos da melhora do consumo trazida pelo Plano Real, ele nem lembra quando comprou pela última vez.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.







Tópicos

2 ata do copom 22 de março 2022 bancos projetam Selic BC projeção 2022 BC/COPOM/JUROS/DECISÃO como o BC pesquisa no grupo Focus como se mede a inflação semanal consumo brasil plano real março 2022 crescimento econômico Focus projeção 2022 de quem é a culpa pela inflação 2022 dólar projeção expectativa de crescimento BC 2021 expectativa de crescimento Brasil 2022 expectativa focus expectativas 2022 Banco Central focus projeção 2022 IGP-M acumulado IGP-M inflação aluguel IGP-M projeção 2021 IGP-M setembro IGP-M significado IGPM acumulado índice do aluguel setembro inflação 2021 projeções inflação 2022 causas inflação 2022 governo bolsonaro inflação 2022 política econômica inflação 2022 projeção inflação aluguel projeção 2021 inflação Brasil 2022 inflação combustíveis energia alimentos inflação FGV inflação Focus inflação IGP-10 novembro inflação IPC-s acumulado inflação IPC-s julho inflação Ipea inflação mercado inflação oficial 2022 inflação oficial fevereiro 2022 inflação oficial março 2022 inflação perdas plano real inflação preços controlados inflação projeção inflação relatório trimestral BC março 2022 inflação últimos 12 meses março 2022 IPC-S significado IPCA 12 meses 2022 IPCA INFLAÇÃO 2021 IPCA março 2022 ipca significado IPCA-15 2022 IPCA-15 março 2022 IPCA-15 recorde mercado projeção 2022 o que é grupo Focus O que é inflação e exemplos? o que é ipca? PIB projeção 2021 preços capitais semana prévia da inflação dezembro prévia da inflação IPCA-15 setembro Selic 14% Selic projeções 2022