Política

‘Brasileiro vai julgar seus representantes no ano que vem pelo voto’, diz Lira

Após o Estadão revelar as ameaças feitas pelo ministro da Defesa, Walter Braga Netto, ao presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL)), sobre a não realização das eleições, caso não seja instaurado o chamado “voto auditável”, Lira foi ao Twitter dizer que o brasileiro “vai julgar seus representantes em outubro do ano que vem através do voto popular, secreto e soberano”.

Na postagem nas redes sociais, Lira não cita diretamente os fatos revelados pela reportagem. “A despeito do que sai ou não na imprensa, o fato é: o brasileiro quer vacina, quer trabalho e vai julgar seus representantes em outubro do ano que vem através do voto popular, secreto e soberano. As últimas decisões do governo foram pelo reconhecimento da política e da articulação como único meio de fazer o País avançar”, escreveu o presidente da Câmara.

Como mostrou matéria do Estadão, Lira recebeu, no último dia 8, um duro recado de Braga Netto, por meio de um importante interlocutor político. O general pediu para comunicar, a quem interessasse, que não haveria eleições em 2022, se não houvesse voto impresso. Ao dar o aviso, o ministro estava acompanhado de chefes militares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.



Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

Política

‘Brasileiro vai julgar seus representantes no ano que vem pelo voto’, diz Lira

Após o Estadão revelar as ameaças feitas pelo ministro da Defesa, Walter Braga Netto, ao presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL)), sobre a não realização das eleições, caso não seja instaurado o chamado “voto auditável”, Lira foi ao Twitter dizer que o brasileiro “vai julgar seus representantes em outubro do ano que vem através do voto popular, secreto e soberano”.

Na postagem nas redes sociais, Lira não cita diretamente os fatos revelados pela reportagem. “A despeito do que sai ou não na imprensa, o fato é: o brasileiro quer vacina, quer trabalho e vai julgar seus representantes em outubro do ano que vem através do voto popular, secreto e soberano. As últimas decisões do governo foram pelo reconhecimento da política e da articulação como único meio de fazer o País avançar”, escreveu o presidente da Câmara.

Como mostrou matéria do Estadão, Lira recebeu, no último dia 8, um duro recado de Braga Netto, por meio de um importante interlocutor político. O general pediu para comunicar, a quem interessasse, que não haveria eleições em 2022, se não houvesse voto impresso. Ao dar o aviso, o ministro estava acompanhado de chefes militares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.



Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.