Artigos

Brasileiro tem remissão do vírus da aids sem transplante de medula

Brasileiro tem remissão do vírus da aids sem transplante de medula

Ativista bengalês segura um laço de fita vermelho durante manifestação pelo Dia Mundial de Combate à aids em Daca, 1º de dezembro de 2004 - AFP/Arquivos

Um brasileiro portador do vírus da aids, em remissão há mais de um ano, pode ser o primeiro adulto a se curar sem necessidade de se submeter a um transplante de medula, anunciou nesta terça-feira (7) uma equipe de cientistas.

O vírus HIV afeta dezenas de milhões de pessoas no mundo. Embora a doença não seja mais uma sentença de morte como antigamente, os soropositivos têm que fazer tratamento por toda a vida.

Nos últimos anos, dois homens – denominados pacientes de “Berlim” e “Londres” – parecem ter se curado depois de terem se submetido a transplantes de medula óssea de alto risco.

Uma equipe internacional de cientistas acredita ter encontrado um terceiro paciente que não apresenta rastros de infecção após ter se submetido a um tratamento diferente.

O paciente, um brasileiro de 34 anos cuja identidade foi mantida em sigilo, foi diagnosticado como portador do HIV em 2012. No âmbito deste estudo, ele ingeriu vários medicamentos antivirais muito fortes, sobretudo o maraviroc (com o nome comercial Selzentry) e o dolutegravir (Tivicay), para ver se conseguiam ajudá-lo a eliminar o vírus.

Após mais de 57 semanas sem tratamento para o HIV, ele continua testando negativo para a detecção de anticorpos anti-VIH.

O caso foi apresentado durante a 23ª conferência internacional sobre aids que, pela primeira vez, é celebrada totalmente online devido à pandemia do novo coronavírus.

Ricardo Diaz, especialista em doenças infecciosas da Universidade de São Paulo, avalia que o paciente pode ser considerado imune à doença.

“O importante para mim é ter um paciente que está em tratamento e que agora controla o vírus sem tratamento”, explicou à AFP.

Segundo a ONU, 1,7 milhão de pessoas contraíram o HIV no ano passado e mais de 40 milhões são portadoras atualmente.

Segundo Diaz, o tratamento, que requer mais pesquisas, é para pessoas gravemente doentes que precisam viver com o HIV, uma opção mais ética do que o transplante de medula óssea.

Para Sharon Lewin, diretora do Doherty Institute for Infection and Immunity em Melbourne, as conclusões de Diaz são “muito interessantes”, embora o estudo tenha suas limitações. “Estes dados tão provocadores têm que ser objeto de uma análise mais profunda”, disse.

Várias remissões prolongadas da doença têm ocorrido no mundo, mas não se pode dizer que tenha ocorrido cura.

Veja também

+ Bolsonaro posta foto com filha e rebate crítica: “Já tomou Caracu hoje?”

+ Faça em casa receita de pudim com milho e leite condensado

+ Ex-capa da Playboy é presa acusada de tráfico de drogas em rede de prostituição

+ Com bumbum à mostra, Ivy Moraes filosofa no Instagram

+ Saiba por que as farmacêuticas vêm testar vacinas no Brasil

+ Namorada de Marco Verratti exibe fotos sensuais

+ Lívia Andrade posa de fio dental

+ Auxílio emergencial: Caixa credita hoje parcela para nascidos em janeiro

+ Google permite ver animais em 3D com realidade aumentada

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?