Economia

Brasileiro se adapta a ‘novo normal’

A loja de galeria que agora sobrevive com e-commerce, a vaquinha virtual durante a live do artista favorito e a troca do passeio no parque por uma refeição para viagem. O mundo teve de se adaptar às restrições impostas pelo novo coronavírus. O cenário é de desemprego em alta e salários em queda, mas o isolamento na pandemia também trouxe novas demandas e oportunidade de reinvenção.

A lembrança é que 2020 foi um ano de superação de desafios. E a economia ainda cambaleante, com o aumento do número de casos de covid-19 e a falta de definição sobre um plano de vacinação pode prolongar esses desafios em 2021. A seguir, algumas dessas histórias.

Novos públicos. Em 2019, os projetos da arquiteta e cenógrafa Zula Matias, de 30 anos, estavam começando a crescer: autônoma por três anos, e já tendo se tornado um nome frequente nos créditos de shows de stand-up em São Paulo, ela costumava entregar dois ou três projetos artísticos por mês. Zula conta que 2020 tinha tudo para ser o melhor ano da sua vida profissional. Até que veio a pandemia.

Para evitar aglomerações, casas de show, teatros e cinemas tiveram de permanecer fechados durante a maior parte do ano. Na cidade de São Paulo, os cinemas só puderam reabrir em outubro. Ainda assim com capacidade limitada.



Estudo exclusivo da Arymax e da B3 Social, com o Instituto Veredas, aponta que os setores de cultura, turismo, hotéis e restaurantes estão entre os que sofreram os maiores impactos causados pela covid-19.

Juntos, os segmentos mais afetados somam 34,2% dos empregos na América Latina, de acordo com a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal).

“A queda na renda foi impressionante. Quanto mais projetos tenho para trabalhar, maior é a equipe contratada e a renda. Os pagamentos normalmente são feitos logo após o evento. Mas, sem eventos, me vi sem nenhuma entrada de dinheiro durante meses”, conta Zula.

Apesar das dificuldades e de o trabalho sempre ter exigido uma proximidade com o contratante, ela diz que novos clientes surgiram por meio das redes sociais, encomendando cenários para canais de YouTube ou cursos online.

“Como eram projetos pequenos, acabei fazendo uma consultoria, ou seja, o próprio cliente colocou a mão na massa e eu dava as orientações, no formato ‘faça você mesmo’. Financeiramente o ano passado foi o pior da minha vida, mas também foi um ano de muito aprendizado”, resume Zula.

Novos endereços. No começo de 2020, a marca de sapatos e bolsas Cura se preparava para ganhar mercado na Europa. “O mundo tem simpatia pelos produtos brasileiros, sobretudo quando têm um selo sustentável. Mas a dificuldade para ficar conhecido em outros países, que já era grande, ficou maior com a pandemia. Conseguimos exportar até junho, mas as viagens pararam”, conta a designer Raíssa Colela.

A demora na recuperação do mercado interno, após a recessão de 2015 e 2016, já tinha pesado na decisão de vender para o exterior. Até que a pandemia mudou todo o planejamento. “A marca fechou a loja na zona sul do Rio. O ponto, que fica em uma galeria, acabou. Nos concentramos no e-commerce.”

Ela afirma que, apesar de as perdas do ano não terem sido totalmente compensadas, o comércio virtual da marca mais que dobrou. “Tenho recebido muitos pedidos com desconto em pré-venda. No fim, nos reinventamos em 2020.”

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel