Compras

Brasileiro é o povo mais atento aos preços ao pesquisar viagem para o pós-pandemia

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

Pesquisa mostra que viajantes etão exigindo um custo-benefício e segurança maiores na hora de planejar suas viagens futuras (Crédito: Arquivo/Agência Brasil)

O pós-pandemia deve trazer novos hábitos aos consumidores e um deles está relacionado ao mercado de turismo, com os viajantes exigindo um custo-benefício e segurança maiores na hora de planejar suas viagens futuras.

Pesquisa da Booking.com mostra que no Brasil, oito em cada 10 viajantes (84%) ficarão mais atentos aos preços na hora de pesquisar e planejar uma viagem após a pandemia, enquanto 78% esperam que as empresas de viagem os ajudem com planos futuros de viajar por meio de descontos e promoções. Em ambos, os brasileiros ocupam a primeira colocação entre as 28 nacionalidades pesquisadas.

+ Turismo deixou de ganhar R$ 41,6 bilhões desde o início da pandemia
+ Governo lança conjunto de medidas para retomada do turismo no país

Com universo de 20.934 pessoas, de 28 mercados, e realizado com perguntas online em julho de 2020, o levantamento mostra que a América Latina será a região com mais turistas preocupados com preços. Além dos brasileiros, 77% dos colombianos, 76% dos mexicanos e 74% dos argentinos estão de olho nos valores.

O custo da viagem também é uma preocupação dos viajantes da Ásia, sendo que 78% dos tailandeses e 76% dos vietnamitas também pretendem priorizar os preços. A questão financeira tem menos impacto para os moradores da Dinamarca (34%), Países Baixos (37%) e Alemanha (38%).

A pesquisa revela ainda que quase metade (46%) dos viajantes brasileiros dizem que preferem fazer uma viagem com desconto para um lugar que talvez não tivessem escolhido em vez de pagar mais caro por um destino dos sonhos.

As viagens menores tendem a ganhar destaque no pós-pandemia. Seis em cada 10 brasileiros afirmaram que vão preferir fazer uma viagem que podem pagar imediatamente em vez de economizar para fazer uma viagem dos sonhos, porém incerta. O Brasil fica apenas atrás da Tailândia (72%) e do Vietnã (68%) quando o assunto é a priorização de preços a curto prazo.

Para 82% dos brasileiros, a flexibilidade será um ponto crítico, mostrando grande desconforto com a ideia de ter que cancelar uma viagem. Eles afirmam que, para melhorar o custo-benefício, as plataformas de viagem precisam de mais transparência nas políticas de cancelamento, processos de reembolso e opções de seguro-viagem.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?