Tecnologia

Brasil tem um golpe financeiro a cada 6 segundos; saiba como se proteger

Crédito: Divulgação - Psafe

Só no primeiro semestre, são mais de 2.3 milhões de detecções de golpe, o que representa uma ameaça financeira sendo detectada a cada 6 segundos no País (Crédito: Divulgação - Psafe)

O dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe, detectou um crescimento no número de golpes financeiros, cujo objetivo é roubar informações bancárias e de cartão de crédito das vítimas. Somente no primeiro semestre de 2021, já são mais de 2.3 milhões de detecções desta categoria de golpe, o que representa uma ameaça financeira sendo detectada a cada 6 segundos no País.

Emilio Simoni, diretor do dfndr lab, explica que os golpes financeiros são especialmente disseminados através de SMS. “Costumamos identificar muitos golpes de phishing enviados por SMS, em que o cibercriminoso se passa por um banco solicitando o bloqueio ou desbloqueio de um cartão de crédito através de um link, ou pedindo a confirmação de dados bancários supostamente para bloquear uma compra não autorizada. A vítima, aflita e com medo de estar sofrendo uma fraude, é convencida a informar dados sensíveis que serão utilizados nos golpes”, alerta o diretor.

+ Hackers exigem US$70 mi para restaurar dados de empresas atingidas em ataque cibernético, diz blog

Os riscos se tornaram ainda maiores desde o início de 2021, quando dados de mais de 100 milhões de assinantes de contas de celulares foram vazados na Dark Web. O alerta foi feito pela PSafe, em fevereiro deste ano, e já destacava que nos bancos de dados encontrados havia informações pessoais que poderiam ser usadas por cibercriminosos para fins escusos.



O diretor lembra ainda que os cibercriminosos estão sempre se reinventando: “Quando um novo serviço bancário é lançado, como foi o caso do PIX, os cibercriminosos também aproveitam da popularidade para criar novos ataques. Os golpes com a temática PIX, por exemplo, já tiveram mais de 62 mil acessos e compartilhamentos somente em 2021”

Simoni esclarece ainda o prejuízo para a vítima dos golpes financeiros: “Quando a vítima informa seus dados no link malicioso, ela fica vulnerável ao roubo dessas informações pessoais, que podem ser usadas pelo cibercriminoso para realizar compras virtuais, a assinar serviços online e até para abrir contas em bancos. Outro problema é quando a vítima compartilha o falso site com seus contatos, ela torna-se um vetor de disseminação do golpe, o que garante aos cibercriminosos um crescimento acelerado dos ataques”.

Confira as dicas dos especialistas para se proteger

1 – Os SMS são os principais meios utilizados para disseminar golpes financeiros. Utilize soluções de segurança no celular, como o dfndr security, que disponibilizam proteção em tempo real contra links maliciosos compartilhados através de SMS, WhatsApp, Facebook Messenger e no navegador.

2 – Tenha cuidado ao clicar em links compartilhados no WhatsApp ou nas redes sociais. Nunca informe dados bancários em sites ou aplicativos dos quais desconhece a procedência.

3 – Não compartilhe links de procedência duvidosa. Na dúvida sobre se um link é de fato seguro, realize a checagem gratuita no site do dfndr lab.

4 – Evite utilizar redes Wi-Fi públicas ou sem senha para realizar transações financeiras

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km