Edição nº 1066 20.04 Ver ediçõs anteriores
Emmanuel Macron

Entrevista

O Brasil precisa de um candidato de centro com sensibilidade social

Simone Marinho

O Brasil precisa de um candidato de centro com sensibilidade social

Priscilla Arroyo
Edição 01/12/2017 - nº 1047

Carlos Langoni é um dos mais respeitados economistas de tradição liberal do Brasil. Doutor em economia pela Universidade de Chicago, ex-presidente do Banco Central (BC) e diretor do Centro de Economia Mundial da Fundação Getúlio Vargas (FGV), ele diz estar otimista com a economia. Para Langoni, a recessão já ficou para trás. Em 2018, a economia deve crescer cerca de 3% e o desemprego, hoje em 12,2%, deve voltar a taxas de um dígito. Defensor de uma renovação política, o economista diz que ela se tornaria realidade caso surgisse um candidato parecido com Emmanuel Macron, eleito presidente da França em maio.
“O Brasil precisa ter um equilíbrio entre o econômico e o social. Essa é a fórmula para ganhar a eleição.”, diz ele. A seguir, os principais trechos da entrevista:

DINHEIRO – Muitos economistas já elevaram as projeções de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano para até 1%. O senhor concorda, ou ainda é cedo para afirmar que há uma recuperação da economia?

CARLOS LANGONI – O fim da recessão já é definitivo, e a recuperação está se consolidando, trimestre após trimestre. Minha projeção para o PIB deste ano é de um crescimento entre 0,75% e 1%. O mais importante, agora, é que estamos ganhando a batalha das expectativas. Isso é essencial, pois o que move a economia são expectativas. Os índices de confiança, tanto setoriais como globais, vêm mostrando uma tendência de alta sistemática desde o segundo trimestre do ano passado. E essa tendência não foi interrompida por nenhuma das crises políticas que o País atravessou, o que mostra uma resiliência expressiva da economia real.

DINHEIRO – O que vai estimular esse crescimento? Qual sua projeção para 2018?

LANGONI – A atividade econômica vem sendo impulsionada pelo consumo das famílias, pois o consumo do governo está muito contido, devido à crise fiscal. No ano que vem, poderemos observar uma retomada dos investimentos. Do ponto de vista setorial, a saída da recessão foi pautada, no começo do ano, pela agropecuária e pelas exportações. A partir do segundo trimestre, essa recuperação começou a ser acompanhada, também, pela indústria e pelo comércio. E, a partir do terceiro trimestre, devemos observar a retomada do setor de serviços. Alguns setores importantes, como óleo e gás e o setor elétrico, vão se beneficiar de um marco regulatório mais consistente. Isso vai se traduzir em mais investimentos em infraestrutura, o que, naturalmente, diminui o desemprego e impulsiona o consumo. Diante desse cenário, projeto um crescimento do PIB de cerca de 3% no ano que vem.

DINHEIRO – Haverá riscos de volta da inflação?

LANGONI – A recuperação da economia está sendo acompanhada de um processo de desinflação. A inflação deve ficar perto de 3% neste ano. O IGP-M, que baliza contratos como os aluguéis e é o grande indexador residual da economia brasileira, deve mostrar deflação no ano. Essa combinação de preços ao consumidor baixos e deflação no IGP-M assegura a continuidade de uma inflação baixa também no ano que vem.

DINHEIRO – O sr. espera uma queda no desemprego?

LANGONI – A recuperação da indústria, do comércio e dos serviços deve aumentar a criação de vagas no setor formal da economia. Ao analisar a tendência de geração de empregos formais, acredito que a taxa deve ficar abaixo de 10%. Isso vai ser interessante do ponto de vista eleitoral, porque, a partir do segundo trimestre de 2018, estaremos entrando no período que apelido de tensões pré-eleitorais.

DINHEIRO – O Planalto recomeçou a contar os votos para aprovar a reforma da Previdência, que, já sabemos, será menos drástica do que o proposto anteriormente. Qual a importância da votação neste momento?

LANGONI – A importância é enorme. Essa reforma tem de ser aprovada ainda neste ano, pois, em 2018, o fator político vai voltar a ganhar um peso desproporcional na formação das expectativas. Vale lembrar que, em 2017, observamos um descolamento muito claro entre expectativas econômicas e tensão política. Essa fase tende a se encerrar a partir de abril de 2018, quando vamos ter a confirmação dos nomes que vão concorrer à Presidência. O debate político vai dominar a mídia e, portanto, não há como evitar que ele afete as expectativas. E o que importa na economia são sempre tendências futuras, o que vem à frente.

Campanha do Brexit: mudanças na União Europeia (Crédito:Odd Andersen / AFP )

DINHEIRO – O que acontecerá se a reforma da Previdência for derrotada no Congresso?

LANGONI – Nesse cenário, devemos observar um arrefecimento da expectativa positiva que observamos hoje. A aprovação da reforma da Previdência reforçaria a confiança dos agentes econômicos e serviria como uma espécie de colchão para amortecer os efeitos nocivos do ruído político. A partir de abril, as incertezas políticas vão contaminar as expectativas, e, sem a aprovação da reforma da Previdência, a percepção sobre o Brasil vai piorar. Podemos perder oportunidades em meio a um cenário global favorável.

DINHEIRO – Quais?

LANGONI – A economia mundial está crescendo. Os países desenvolvidos voltaram a crescer, e os emergentes também. Eu diria que 80% do PIB mundial está em expansão. E tudo isso, por enquanto, com inflação baixa, principalmente nos Estados Unidos. Não se sabe até quando esse cenário, tão favorável, vai durar. O maior risco é a pressão inflacionária nos Estados Unidos, que vai surgir pelo mercado de trabalho, uma vez que os americanos têm pleno emprego. E se o presidente Donald Trump conseguir aprovar sua reforma fiscal, o Federal Reserve [o banco central americano] pode antecipar o ritmo de aumento dos juros. A consequência seria uma valorização global do dólar, que afetaria as economias emergentes. O Brasil não escapa disso. Existe essa janela, que não sabemos quanto tempo vai ficar aberta. Por isso é essencial manter positivas as expectativas, para que o País seja beneficiado por esse bom momento.

DINHEIRO – O superávit da balança comercial está em US$ 60,9 bilhões neste ano. Isso continua a sustentar a economia?

LANGONI – Temos uma alavanca de crescimento, que é o comércio mundial. Mas é preciso melhorar nossas relações comerciais. Temos de sentar com a China e ter uma conversa madura. O Brasil não pode ser só um exportador de commodities. Temos de diversificar e abrir espaço para produtos intermediários e manufaturados brasileiros. O Brasil avançou pouco em relação à abertura da economia. No governo de Fernando Henrique Cardoso, as importações e exportações representavam 27% do PIB, e esse percentual não mudou até hoje. Em outras economias emergentes, essa relação é muito maior. Na China são 40%, no México são 50%, e no Chile são 60%. O Brasil não fez nenhum movimento agressivo de política comercial nos últimos anos. O único acordo recente foi trazer a Venezuela para o Mercosul, e houve alguns entendimentos pontuais com Israel. Muitos defendem que o Brasil tem de se tornar competitivo para poder, depois, abrir sua economia. Acredito no contrário: o Brasil, para se tornar competitivo, tem de abrir a sua economia. Falo de uma abertura negociada, de preferência com grandes blocos, por meio de acordos bilaterais.

DINHEIRO – Como fazer isso?

LANGONI – Devemos aproveitar o espaço criado pelo Brexit e pela onda protecionista dos Estados Unidos. Curiosamente, esses movimentos permitem que o Brasil possa, por exemplo, viabilizar um acordo entre o Mercosul e a União Europeia. Acabei de voltar da Europa, onde eu conversei com ministros alemães e com a delegação brasileira da Organização Mundial do Comércio (OMC). Eles afirmam que nunca houve uma oportunidade tão efetiva para o Brasil fazer um acordo comercial com a Europa. A saída da Inglaterra da Zona do Euro fez com que a União Europeia tenha interesse em estreitar seus vínculos comerciais com um bloco econômico latino-americano. Isso deveria estar no topo da agenda do próximo presidente.

Compras na Black Friday: aumento do poder aquisitivo

DINHEIRO – Sobre as eleições em 2018, quais seriam as consequências para a economia caso um candidato populista seja eleito no Brasil?

LANGONI – Ainda não sabemos quem serão os candidatos, então há um bom componente de especulação aqui. Mas eu acho pouco provável a vitória de um candidato populista no ano que vem. No segundo trimestre de 2018, a recuperação da economia vai estar mais perceptível, e não apenas do ponto de vista empresarial. O fato de a economia ter inflação e juros reais baixos provoca um efeito de bem-estar. Isso eleva o poder aquisitivo, algo que será sentido pela classe média. A história que poderá ser contada na antevéspera da campanha eleitoral é uma história positiva, da virada econômica brasileira, independente de ter sido feita por um governo impopular. Vai ser difícil contrapor esse cenário a uma aposta na roleta. Acredito no pragmatismo brasileiro. A História mostra que, em geral, o pragmatismo vence a ideologia. Minha convicção é que os candidatos que encamparem melhor a visão de continuidade e de reforço, inclusive na área social, têm mais chance de ganhar. Em última instância, quem define essa eleição é a classe média, que não vai querer assumir riscos.

DINHEIRO – Qual cenário eleitoral pode ser mais apaziguador?

LANGONI – Não tenho nomes, mas acho que é o momento de uma renovação política. Quem será o Macron brasileiro? [Emmanuel Macron foi eleito presidente da França em maio]. O ideal é que aparecesse uma nova liderança política, capaz de mobilizar a opinião pública em torno de uma política econômica voltada para o bem estar e para o crescimento. Sem falsas ilusões e sem demagogia. Esse nome não vi ainda.

DINHEIRO – O Macron brasileiro viria do centro, da centro-direita, da centro-esquerda…

LANGONI – Na França ele se elegeu como um candidato de centro-esquerda, mas, na prática, é um político de centro. Ele tem um lado do partido socialista, mas as políticas que ele apoia têm viés liberal. O Brasil precisa ter um equilíbrio entre o econômico e o social. Essa é a fórmula para ganhar a eleição. Um político que seja reformista, mas que não tenha um perfil conservador no sentido equivocado. O Brasil precisa de um candidato de centro com sensibilidade social. Dois ingredientes são essenciais para esse político: visão positiva e pragmática e um perfil de preocupação social.


Entrevista

'Há uma lacuna grande no Brasil. Quem entrar e investir vai capturar valor'

Bedy Yang, sócia da 500 Startups

Bedy Yang, sócia da 500 Startups

'Há uma lacuna grande no Brasil. Quem entrar e investir vai capturar valor'

Quando se trata de startups, a paranaense Bedy Yang, de 39 anos, está no centro do mundo. Não porque trabalha no coração do Vale do Silício. Mas porque é sócia do fundo de venture capital 500 Startups, um dos mais ativos da atualidade


Finanças


A Cielo se prepara para contraatacar

Meios de pagamento

A Cielo se prepara para contraatacar

Para enfrentar o PagSeguro e as fintechs, a empresa prepara um pacote de lançamentos, que inclui uma máquina para atender os pequenos negócios

Como os Millennials investem

Investidores

Como os Millennials investem

Jovens entre 18 e 35 anos são conservadores e ao mesmo tempo plugados no mundo digital. Eles entram no mercado financeiro com o objetivo de diminuir as incertezas do futuro


Economia

Qual o salário mínimo que o Brasil deve ter

Valor real

Qual o salário mínimo que o Brasil deve ter

O próximo presidente terá de definir como dosar os reajustes do piso salarial brasileiro à nova realidade econômica do País. O desafio é escolher entre o ideal e o possível

Números de EUA e Brasil se parecem, mas realidades são opostas

Inflação

Números de EUA e Brasil se parecem, mas realidades são opostas

Desde 2007, no período pré-crise, os índices de preços do Brasil e dos Estados Unidos não estavam tão próximos. Na prática, no entanto, há muito mais diferenças do que semelhanças entre as duas economias

Presidente americano adiciona o risco bélico em meio a uma guerra comercial

General Trump

Presidente americano adiciona o risco bélico em meio a uma guerra comercial

Bombardeio na Síria adiciona incertezas militares num cenário econômico internacional já conturbado pela disputa comercial entre EUA e China


Mercado Digital

Como a Microsoft está lidando com a crise do Vale do Silício

Em boas mãos

Em boas mãos

Como a Microsoft está lidando com a crise do Vale do Silício

Sob o comando de Satya Nadella, a empresa fundada por Bill Gates reformula seus negócios e consegue escapar da crise que abala as empresas de tecnologia americanas


Negócios

VLI Logística está de cofre cheio à espera das concessões

Transporte

VLI Logística está de cofre cheio à espera das concessões

A VLI Logística, uma das maiores empresas de transporte ferroviário do País, se diz pronta para desembolsar o maior volume de investimentos de sua história. Só depende da renovação antecipada das concessões, que deve atrair R$ 30 bilhões em recursos

Existe saída para a BR Pharma?

Farmacêutica

Existe saída para a BR Pharma?

O fundo Lyon Capital, do empresário Paulo Remy, e o PPLA, empresa de investimento do BTG Pactual, estão brigando para saber qual deles não vai ficar com a encrencada rede de farmácias. Entenda a história

A Supreme se torna a marca descolada de luxo

Estilo

A Supreme se torna a marca descolada de luxo

A marca americana de streetwear Supreme, que está entre as preferidas dos adolescentes, conquistou parceiros de prestígio como Louis Vuitton, Rimowa e Lacoste


Colunas


A bomba fiscal

Editorial

A bomba fiscal

Um novo capítulo para o Citi

Moeda Forte

Um novo capítulo para o Citi

Combustível que vem do esgoto

Sustentabilidade

Combustível que vem do esgoto

Otimismo sem freio

Dinheiro & Tecnologia

Otimismo sem freio

O esplendor do mar

Cobiça

O esplendor do mar


Artigo

Maduros, sim. Velhos, nunca

Por Cláudio Gradilone

Por Cláudio Gradilone

Maduros, sim. Velhos, nunca

Facilitar que os cidadãos permaneçam produtivos vai reduzir a pressão sobre as contas do INSS e preservar o conhecimento de décadas de experiência


Como fazer sua marca romper com o óbvio

Caso Smiles

Como fazer sua marca romper com o óbvio

Loja física deve virar centro de distribuição, diz Magazine Luiza

Debate

Debate

Loja física deve virar centro de distribuição, diz Magazine Luiza

“Marcas precisam se comunicar com simplicidade”, diz CEO da Kantar

Eric Salama

Eric Salama

“Marcas precisam se comunicar com simplicidade”, diz CEO da Kantar

“PIB terá forte correlação com marca Brasil”, diz CEO da The Store WPP

David Roth

David Roth

“PIB terá forte correlação com marca Brasil”, diz CEO da The Store WPP


As Melhores da DINHEIRO 2018

Sua empresa não pode ficar de fora

Premiação

Premiação

Sua empresa não pode ficar de fora

As inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2018 estão abertas. Saiba como participar

X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.