Economia

Brasil perde 900 mil trabalhadores sindicalizados em 1 ano e 3,8 milhões em 7 anos, aponta IBGE

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

A queda acontece mesmo com o aumento de 2,5% na população ocupada, estimada em 94,6 milhões de pessoas em 2019, contra 92,3 milhões em 2018 (Crédito: Arquivo/Agência Brasil)

Em 2019, 11,2% dos trabalhadores do País, ou 10,6 milhões de pessoas, eram associados a sindicato. O resultado indica uma redução de 900 mil sindicalizados em um ano. Em 2018 a taxa era de 12,5%, ou 11,5 milhões de pessoas.

De 2012 a 2019, o contingente de sindicalizados no país caiu em 3,8 milhões de pessoas, sendo 1,3 milhão a menos no Sudeste. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua Anual: Características Adicionais do Mercado de Trabalho, divulgada hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).



+ Nível da ocupação desce de 49,0% em junho para 47,9%, em julho, diz IBGE
+ Taxa de desocupação do País sobe para 13,1% em julho, aponta PNAD Covid 19 

A queda acontece mesmo com o aumento de 2,5% na população ocupada, estimada em 94,6 milhões de pessoas em 2019, contra 92,3 milhões em 2018, destaca o IBGE, por nota. A última vez em que a taxa de sindicalização cresceu foi em 2013.

Nordeste (12,8%) e Sul (12,3%) registraram as taxas mais altas, enquanto Norte (8,9%) e Centro-Oeste (8,6%), as menores.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


A taxa de sindicalização dos homens (11,4%) era maior que a das mulheres (10,9%). Só no Nordeste a diferença se inverteu: mulheres (13,7%) e homens (12,1%).

A atividade de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, que abrange 9,1% do pessoal ocupado, alcançou a maior taxa de sindicalização, com 19,4%.


Os empregados com carteira assinada no setor privado e os empregados no setor público, inclusive servidor estatutário, tinham as taxas de sindicalização mais elevadas, respectivamente, 14% e 22,5%.

Já o empregado no setor privado sem carteira de trabalho assinada (4,5%) e o trabalhador doméstico (2,8%) tinham os menores percentuais.

Em 2019, das 28,8 milhões de pessoas ocupadas como empregador ou conta própria no trabalho principal, apenas 5,2% (1,5 mi) estavam associadas a cooperativa de trabalho ou produção, o menor valor da série histórica.

Já a população ocupada no setor privado no Brasil, ou 76,7 milhões pessoas, trabalhava, principalmente, em estabelecimento do próprio empreendimento (58,4%); em local designado pelo empregador, patrão ou freguês (14,2%); e em fazenda, sítio, granja, chácara etc. (10,4%).