Edição nº 1092 19.10 Ver ediçõs anteriores

Brasil, novo vilão para Trump

Brasil, novo vilão para Trump

Sobrou para o Brasil. Estava até demorando. O incontrolável presidente americano Donald Trump, durante entrevista sobre o Nafta – o acordo de livre comércio que reúne EUA, Canadá e México – resolveu criticar duramente a relação com o Brasil. Saiu de bate-pronto. Sem sequer ser indagado a respeito. E surpreendeu autoridades daqui e do mundo. Para ele, o País trata empresas americanas de forma injusta. Não desceu aos detalhes do que avalia como indevido ou mesmo desigual nessa parceria. Limitou-se apenas a alegar que várias corporações nativas se queixam do que consideram “um dos mais duros” mercados do mundo para atuar. Se era mera provocação ou galhofa do fanfarrão Trump, ninguém ainda conseguiu confirmar.

Pela condição estratégica na negociação dos contratos e pelo posto que ocupa, as palavras em forma de ataque desse senhor tem o poder de destruição de uma bomba de nitrogênio para quem esta as recebe. O espantoso é perceber que, pelos números da balança, a relação segue amplamente favorável aos americanos. Existe um superávit da ordem de US$ 90 bilhões nos últimos dez anos. E isso considerando apenas a área de bens, excluindo serviços. Trump, mesmo assim, enxerga de outra forma. No seu entender, o Brasil cobra o que quer, entrega produtos que em muitos casos requer ressalvas e não presta satisfação sobre o por que desse tratamento.

Como sempre, ele exagera na dose. Não é, vale frisar, uma perseguição específica. Ele também reserva a mesma impressão sobre os acordos com a Índia. Talvez apertar os eixos com os emergentes seja o seu objetivo. Há algum tempo, praticamente desde que assumiu, ele mirou o México com uma série de ameaças aos negócios em curso. Veio o Canadá e agora Brasil e Índia. Dezenas de entidades multilaterais estão fazendo apelo para “salvar” o comércio internacional que vem sendo dinamitado por Trump. O Banco Mundial , O FMI e mesmo a OMC passaram a pedir união dos países-membros e a discussão de novas regras globais como forma de atenuar os conflitos.

Esquecem de apontar que os problemas estão mais vinculados ao presidente americano do que propriamente a questões estruturais. Empresários daqui e de fora enxergam como muito difíceis as negociações com os EUA no plano comercial – especialmente depois que o dublê de empresário e político tomou posse. Para eles, só há uma saída ou caminho a seguir nessa zona de confronto pavimentada pelo presidente: encarar juntos a pressão. Trump começa qualquer conversa primeiro colocando o pé na porta. Só depois senta para baixar o tom. A isso o Brasil não estava acostumado e terá agora de encarar para manter firme sua expansão de acordos com os EUA.

(Nota publicada na Edição 1090 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O refugo do mercado

Nem tudo são flores na lua de mel do mercado com o presidenciável de ultradireita Jair Bolsonaro. A fala dele, dias atrás, avisando [...]

A banca em festa

O mercado comprou Bolsonaro. Os números e tendências mostram isso. Contabilizada a larga margem de vantagem do capitão reformado nas [...]

O estelionato das propostas eleitorais

O novo temor na praça é o risco de um estelionato eleitoral. Investidores, banqueiros, empresários, todos temem o vendaval de [...]

O rugido de Trump

O urso polar norte-americano, Donald Trump, rugiu mais uma vez em tom de ameaça. Partiu para cima dos chineses. Impôs uma [...]

A economia respira

Nas derradeiras semanas antes da eleição, já prevendo a volta à normalidade do mercado, muitas empresas passaram a falar em [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.