Edição nº 1117 18.04 Ver ediçõs anteriores

Brasil e Chile fazem acordo de equivalência para produtos orgânicos

Os dois países vão reconhecer a certificação válida no país de origem

Brasil e Chile fazem acordo de equivalência para produtos orgânicos

Não é raro ouvir de produtores de vinho de outros países que o seu branco ou tinto orgânico não será importado para ao Brasil ou que este vinho veio para cá sem a certificação orgânica estampada no rótulo. A razão é econômica: o Brasil não reconhece a certificação estrangeira e, ao produtor ou importador, é preciso arcar com os custos de enviar um técnico brasileiro para o país de origem para atestar a veracidade das informações.

Esta barreira está sendo vencida, ao menos para os vinhos chilenos. Em um acordo de equivalência de produtos orgânicos, assinado em setembro passado e válido a partir de abril, o Chile reconhece a certificação orgânica feita pelo Brasil e o Brasil reconhece a chilena. A ideia, segundo a notícia publicada no site do Ministério da Agricultura, é criar um rótulo comum, com selos oficiais atestando a autenticidade dos produtos. As autoridades sanitárias estão definindo quais os produtos entrarão nesta lista. No caso do Chile, o interesse são os vinhos e as frutas.

A medida é importante para economizar gastos desnecessários. No caso dos orgânicos, muitas vezes é a mesma certificadora que faz a análise nos dois países, mas é preciso pagar duas vezes pelo serviço, lá e cá. Mas esta não é a única inspeção que me parece desnecessária. Pela legislação brasileira, os importadores têm de deixar para a análise 1 litro de cada vinho importado. A ideia é confirmar que não há adulteração ou contaminação nas garrafas.

Uma vez, tive a oportunidade de visitar um desses laboratórios, conhecer o trabalho e conversar com os técnicos. Lembro bem que a técnica me contou que nos 20 anos que trabalhava no laboratório do governo (com os custos pagos por todos nós) apenas uma garrafa havia sido descartada. As demais inúmeras analises realizadas confirmaram as informações atestadas pelo produtor em sua vinícola. Desde então fico pensando: o que justifica um investimento desta magnitude para averiguar parâmetros que já são checados nos laboratórios dos países produtores? Não há acordo de reciprocidade possível?

A notícia oficial dos orgânicos pode ser conferida no site do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.


Mais posts

A importância crescente do enoturismo

A francesa Alice Tourbier, do Les Sources de Caudalie, é o principal destaque do Invino Wine Travel Summit, que acontece nesta [...]

Por que a Salton é a marca número 1 de vinho do Brasil?

Pesquisa da inglesa Wine Intelligence aponta que a vinícola é a marca de vinhos mais forte no País

Mulheres e vinho: a presença crescente das sommelières no Brasil

Annas, Gabrielas, Jô, Marias, Julianas são exemplos de mulheres que estão escrevendo a história do serviço do vinho em nosso país

Viviana Navarrete e os desafios das mulheres nas vinícolas chilenas

Principal enóloga da Viña Leyda, ela conta como venceu os desafios para chegar à liderança após muito trabalho, dedicação e perseverança,

Beatriz Almeida, uma mulher nos vinhos do Dão

Natural do Porto, a enóloga está à frente dos vinhos da Sogrape nesta região de Portugal
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.