Brasil despenca

Brasil despenca

Na escala de desempenho econômico, o Brasil acaba de cravar sua pior marca. No universo avaliado de 190 países, ele está ocupando uma das derradeiras posições, mostrando resultados abaixo dos auferidos por 82% das nações analisadas. Isso para o biênio 2020/2021, segundo levantamento da Fundação Getúlio Vargas, com base em projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI). Será o fundo do poço? Talvez não. Economistas estão frustrados com as chances de o País retomar o curso. Pelo FMI, o PIB nacional ficará na casa de 5,3% negativos, figurando na lanterna entre o dos emergentes. O coquetel de câmbio descontrolado – gerando prejuízos bilionários para empresas já no primeiro trimestre do ano –, aumento da inadimplência de contratos e fuga de capitais por descrença nos rumos políticos internos, tem gerado a tal tempestade perfeita. O mercado aposta cada dia mais em uma desistência do ministro Paulo Guedes, insatisfeito com as concessões feitas pelo presidente ao grupo de partidos do Centrão. Caso o czar da economia jogue a toalha, muitos entendem que será o “game over”. Não enxergam alternativas razoáveis em meio aos pendores bolsonaristas de ceder cada vez mais espaço – cargos e verbas – aos novos aliados, para garantir a própria reeleição. De uma maneira ou de outra, o “projeto liberal” de enxugamento do Estado, preconizado por Guedes, parece mesmo fadado ao fracasso, seguindo para as calendas.

A reforma administrativa e, também, a tributária patinam. A dança das cadeiras em Brasília corrobora o corolário de que o presidente não teme mais se desfazer dos quadros técnicos. Ao contrário: aposta com maior vigor e ânimo naqueles que pensam como ele e seguem seus mandamentos, sem pestanejar. O quadro crescente de quebra fiscal do setor público tem assustado a partir das bombas disparadas em cima do orçamento. As contas estão chegando a um nível insustentável. Gastos extras com os estados, despesas extraordinárias com a Covid-19, via auxílios emergenciais e, principalmente, os benefícios mantidos ao funcionalismo público, com as atividades paradas devido ao isolamento, vêm aprofundando o quadro de insolvência federal. A arrecadação, por sua vez, tem caído abruptamente e, em alguns casos, de maneira irreversível, dada a quebradeira de empresas. Os R$ 124 bilhões de déficit fiscal do ano passado devem, em 2020, ser multiplicados por seis ou sete vezes, sem qualquer programa de ajuste alinhavado no curto prazo. São perspectivas tenebrosas que apontam para as chances de o Brasil virar a Argentina. Nesse sentido, as possibilidades nunca foram tão concretas. E os investidores já perceberam isso. Daí, o Brasil despencar também nas apostas.

Veja também

+ Caixa libera FGTS emergencial para nascidos em julho nesta segunda-feira (10)

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Carol Nakamura anuncia terceira prótese: ‘Senti falta de seios maiores’

+ Ex-Ken humano, Jéssica Alves exibe visual e web critica: ‘Tá deformada’

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais posts

Começaram pelo fim

A grande indagação que fica desse início da trajetória da votação da Reforma Tributária, que finalmente o governo entregou ao [...]

A ameaça ao teto

Ninguém esconde mais, nem dentro do Governo, nem no Congresso, muito menos entre entidades que pressionam por recursos, o movimento [...]

Reforma em fatias

Há algo de muito desarticulado nas prioridades definidas pelo Governo. Mais de um ano e meio de gestão depois se tomou conhecimento, [...]

O plano tributário

O governo começa a dar traços do que pretende no plano tributário. O ministro Paulo Guedes surpreendeu a todos voltando a falar de uma [...]

O grande desafio do agronegocio

Na verdade, trata-se de um desafio mortal de imagem, como bem classificou o economista José Roberto Mendonça de Barros. E a questão [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.