Brasil despenca

Brasil despenca

Na escala de desempenho econômico, o Brasil acaba de cravar sua pior marca. No universo avaliado de 190 países, ele está ocupando uma das derradeiras posições, mostrando resultados abaixo dos auferidos por 82% das nações analisadas. Isso para o biênio 2020/2021, segundo levantamento da Fundação Getúlio Vargas, com base em projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI). Será o fundo do poço? Talvez não. Economistas estão frustrados com as chances de o País retomar o curso. Pelo FMI, o PIB nacional ficará na casa de 5,3% negativos, figurando na lanterna entre o dos emergentes. O coquetel de câmbio descontrolado – gerando prejuízos bilionários para empresas já no primeiro trimestre do ano –, aumento da inadimplência de contratos e fuga de capitais por descrença nos rumos políticos internos, tem gerado a tal tempestade perfeita. O mercado aposta cada dia mais em uma desistência do ministro Paulo Guedes, insatisfeito com as concessões feitas pelo presidente ao grupo de partidos do Centrão. Caso o czar da economia jogue a toalha, muitos entendem que será o “game over”. Não enxergam alternativas razoáveis em meio aos pendores bolsonaristas de ceder cada vez mais espaço – cargos e verbas – aos novos aliados, para garantir a própria reeleição. De uma maneira ou de outra, o “projeto liberal” de enxugamento do Estado, preconizado por Guedes, parece mesmo fadado ao fracasso, seguindo para as calendas.

A reforma administrativa e, também, a tributária patinam. A dança das cadeiras em Brasília corrobora o corolário de que o presidente não teme mais se desfazer dos quadros técnicos. Ao contrário: aposta com maior vigor e ânimo naqueles que pensam como ele e seguem seus mandamentos, sem pestanejar. O quadro crescente de quebra fiscal do setor público tem assustado a partir das bombas disparadas em cima do orçamento. As contas estão chegando a um nível insustentável. Gastos extras com os estados, despesas extraordinárias com a Covid-19, via auxílios emergenciais e, principalmente, os benefícios mantidos ao funcionalismo público, com as atividades paradas devido ao isolamento, vêm aprofundando o quadro de insolvência federal. A arrecadação, por sua vez, tem caído abruptamente e, em alguns casos, de maneira irreversível, dada a quebradeira de empresas. Os R$ 124 bilhões de déficit fiscal do ano passado devem, em 2020, ser multiplicados por seis ou sete vezes, sem qualquer programa de ajuste alinhavado no curto prazo. São perspectivas tenebrosas que apontam para as chances de o Brasil virar a Argentina. Nesse sentido, as possibilidades nunca foram tão concretas. E os investidores já perceberam isso. Daí, o Brasil despencar também nas apostas.


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais posts

A morte da economia

Pode parecer por demais dramático, mas os números não deixam muita margem a dúvidas. Quando da noite para o dia uma indústria inteira [...]

A salvação das empresas

A convicção está se formando em todos os ramos de atividade. Não há mais como negar o inevitável: a pandemia do coronavírus está [...]

O pró-Brasil dos gastos

Despesas para atender a estratégias populistas sempre estiveram nos planos eleitoreiros de governantes. Em tempos de crise, então, para [...]

O plano de saída

Setores produtivos começam a ficar inquietos. Trabalhadores reclamam da falta de renda. Negócios vão à falência. A roda da economia [...]

Motor desligado

Por mais lamentável que possa parecer, está mais do que consensual a ideia de uma paralisia completa da economia. É uma crise única, [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.