Edição nº 1130 19.07 Ver ediçõs anteriores

Brasil abriga 453 garimpos ilegais

Brasil abriga 453 garimpos ilegais

A Amazônia brasileira conta com 453 garimpos ilegais. Isso é o que indica um estudo apresentado na segunda-feira 10 pela Raisg (Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada). A pesquisa identificou que a Venezuela, que passa por um momento de crise humanitária, lidera o ranking de garimpos clandestinos no bioma (1.899), seguida por Brasil (453), Peru (134) e Equador (68). Mas o Brasil é aquele que ocupa o primeiro lugar na atividade ilegal dentro de terras indígenas e em áreas de conservação. Dos 37 casos identificados de garimpos em terras indígenas no Bioma, 18 estão no País.

(Nota publicada na Edição 1100 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Em 2018, 20 milhões de crianças não foram vacinadas

A cobertura de vacina no mundo estagnou de forma perigosa. Em diversos países, perdeu-se o hábito de imunizar crianças e adolescentes. [...]

Uso adequado da água

Conhecido por suas refinadas pedras de cristais, o grupo austríaco Swarovski não se limita à fabricação de joias, acessórios e [...]

Acredite: desmatamento na Amazônia diminuiu

Em junho, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), detectou 801 km² de [...]

Educação ambiental e plantio de árvores no parque Praia do Sol

A Coca-Cola FEMSA Brasil, a Coca-Cola Brasil e a Fundação SOS Mata Atlântica promoverão no dia 21 de julho uma ação de educação [...]

1,2 trilhão de árvores para conter o aquecimento global

O plantio massivo de mudas de árvores em espaços que ainda não foram urbanizados ou tomados pela agropecuária pode ajudar o mundo na [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.