Negócios

Bossa Nova Sotheby’s investe R$ 2 milhões em plataforma de imóveis de luxo

A imobiliária irá lançar uma nova plataforma on-line de imóveis de luxo batizada de Cidade Virtual, onde será possível fazer um tour virtual e filtrar as opções disponíveis

Bossa Nova Sotheby’s investe R$ 2 milhões em plataforma de imóveis de luxo

Marcello Romero, CEO da companhia

Uma das principais imobiliárias do segmento de alto padrão no mercado brasileiro, a Bossa Nova Sotheby’s prepara o lançamento oficial de uma nova plataforma on-line de imóveis de luxo. Batizado de Cidade Virtual, o projeto começou a ser desenvolvido internamente pela empresa há cerca de dois anos e concentrou, até o momento, um investimento de mais de R$ 2 milhões. “Nosso plano é oferecer um serviço mais assertivo e ajudar o cliente a tomar uma decisão de compra mais estruturada”, diz Marcello Romero, CEO da companhia. “A ideia é usar tecnologia para vender mais, melhor e mais rápido.”

A nova ferramenta já está sendo testada por 220 consultores. A projeção é estender o acesso aos compradores no segundo semestre. O foco inicial é o mercado imobiliário de alto padrão na cidade de São Paulo e, em segundo plano, o Rio de Janeiro. A campanha de divulgação envolverá um aporte de R$ 500 mil.

Na prática, além de um tour virtual, o serviço traz uma extensa série de filtros como idade, tamanho e situação – se está em construção ou pronto para morar – do imóvel. Outro recurso disponível é refinar a pesquisa por opções de lazer disponíveis – de uma piscina até uma quadra de squash. A solução também mapeia e sugere casas, prédios e condomínios com o mesmo perfil, o que passa, inclusive, por ofertas de concorrentes e por imóveis que não está à venda. Nesse último caso, existem alternativas para contatar os proprietários e fazer uma proposta. É possível ainda delimitar um raio de cobertura para a busca de produtos similares no mesmo empreendimento, rua ou bairro.

Romero também entende que a Cidade Virtual tem apelo para o planejamento de vendas de incorporadoras voltadas a esse público. “Historicamente, quando essas pessoas mudam de endereço, o deslocamento médio é de dois quilômetros”, observa. Ele explica que, no caso de um lançamento, é possível mapear prédios e proprietários com o mesmo perfil do novo empreendimento e conectá-los, via mídias digitais, com ações dirigidas de comunicação. “Isso minimiza e torna o investimento em mídia mais preciso.”

PLANOS

No cronograma traçado pela Bossa Nova Sotheby’s, o plano para 2019 é consolidar a Cidade Virtual nos mercados paulistano e carioca. Concluída essa etapa, a companhia enxerga oportunidades de ampliar o alcance da ferramenta para outras praças do País, além de ativar novos serviços a partir da ferramenta. “Também não descartamos levar a plataforma um perfil de público com tíquete mais baixo, sob uma outra bandeira”, afirma.

Enquanto estuda novas frentes, a companhia já colhe resultados da iniciativa. Em quatro meses de aplicação, a plataforma registrou um índice de conversão em vendas de 10%. Até o fim de 2019, a expectativa é ultrapassar 60%. A Bossa Nova Sotheby’s prevê fechar o ano com R$ 1 bilhão em vendas, contra R$ 500 milhões em 2018. A projeção de um crescimento substancial no período não exclui uma análise criteriosa sobre os impactos da crise econômica dos últimos anos no segmento de imóveis de luxo. Romero aponta dois reflexos desse contexto. “Mesmo com condições, os clientes adiaram a decisão de compra. Antes da crise, levava-se, em média, 4 a 6 meses para fechar negócio. Hoje, esse prazo é de 9 a 12 meses”, explica. Já do lado dos vendedores, houve uma redução, no mesmo período, dos descontos ofertados. Da taxa histórica entre 10% e 12%, o índice atual não ultrapassa 7%. “Houve até uma certa euforia do período das eleições até o início do ano. Mas ela se converteu em cautela nos últimos meses.”