Finanças

Bom humor externo por BCE e EUA-China atinge Ibovespa

O anúncio de medidas de estímulo pelo Banco Central Europeu (BCE) e a disposição dos Estados Unidos em avançar nas conversas comerciais com a China permitem uma manhã positiva nos mercados de ações do exterior. A Bolsa brasileira também pegue carona. Às 11h27 desta quinta-feira, 12, o Ibovespa subia 0,79%, aos 104.266,99.

Nesta quinta, BCE cortou sua taxa de depósitos e anunciou a retomada das compras de ativos a partir de 1º de novembro. A autoridade monetária disse que a medida permanecerá por tanto tempo for necessário.

Em sua entrevista coletiva de imprensa, o presidente do BCE, Mario Draghi, disse que os dirigentes da instituição estão prontos para ajustar instrumentos e garantir a volta da inflação à meta. Conforme ele, o seu programa de relaxamento quantitativo (QE, pela sigla em inglês) ajuda a elevar expectativas de inflação pois mostra que o BCE usa todos instrumentos. “Cidadãos têm de entender que taxas de juros negativas são uma necessidade.”

As sinalizações dadas pelo BCE podem ser um prenúncio do que o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) e o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciarão na quarta-feira. Conforme a equipe de analistas da Rico Investimentos observa em nota, o mercado “torce” por mais estímulos e/ou uma retomada do ciclo de cortes de juros norte-americanos. “Então qualquer discurso desajustado a isso pode provocar uma realização de lucros, principalmente após essa longa sequência de altas.”

Além da decisão do BCE, também agrada aos investidores a disposição dos Estados Unidos em avançar nas conversas comerciais com a China. Ontem à noite, o presidente norte-americano, Donald Trump, decidiu adiar o aumento de tarifas de 25% para 30% sobre US$ 250 bilhões em produtos chineses, de 1º de outubro para o dia 15 do próximo mês. A decisão veio horas depois de a China anunciar que vai isentar 16 tipos de produtos dos EUA de tarifas extras por um ano, a partir do dia 17.

Atenção ainda para o setor de telecomunicação e para o ‘day after’ da saída do secretário da Receita, Marcos Cintra. A tentativa de recriar a CPMF derrubou Cintra. “Com isso, a reforma tributária deve mesmo tomar a cara das propostas discutidas na Câmara e no Senado, com um Imposto sobre Valor Agregado (IVA)”, avalia a Rico.

Após mais de três anos em tramitação no Congresso, o Senado aprovou na noite de ontem o projeto que atualiza o marco legal das telecomunicações no País. O projeto permite que empresas que forneçam serviços de telefonia fixa migrem do regime de concessões para o de autorizações, em que há preços livres, já praticado nos segmentos de telefonia celular, TV por assinatura e internet.

Tópicos

Bovespa