Economia

Bolsonaro: Governo tem feito dever de casa para tornar País mais atraente

O presidente Jair Bolsonaro disse que o governo tem feito o “dever de casa” para tornar o Brasil cada vez mais atraente para os negócios. “O Brasil mudou, começou a abrir o seu mercado para o mundo com medidas concretas. Cada vez mais recuperamos a confiança do mundo”, afirmou, na cerimônia de encerramento do Fórum Empresarial do Brics, em Brasília.

Em um discurso lido, sem improvisos, o presidente brasileiro acrescentou que a agenda de reformas estava “há décadas” esperando uma solução. “Nosso governo vem agora tornando uma realidade. Cada vez mais recuperamos a confiança do mundo. Temos grandes líderes interessados no Brasil e nós nos países desses grandes líderes”, acrescentou.

Para o presidente, o Brasil nunca esteve no patamar que está no momento. “Empresários alimentam esperança muito grande no novo governo. Queremos ampliar e facilitar cada vez mais ambiente de negócios”, completou.

O presidente disse que cada vez mais quer fazer negócios com os países do Brics e que os chefes de Estado são “cartão de visita um para o outro”. “Demonstramos que estamos de braços abertos para proporcionar um ambiente de comércio mais profundo e diversificado. Mas quem na verdade na ponta da linha vai fazer essa integração são os senhores empresários do Brics”, afirmou à plateia de representantes do setor privado dos cinco países.

Bolsonaro admitiu que o Brasil tem “caminho a percorrer” e disse que novas reformas serão feitas para que o ambiente de negócios cada vez se torne mais atrativo no País. Ele acrescentou que o encontro é uma oportunidade para “contato direto” e aproximação econômica cada vez maior entre os países do bloco. O presidente citou a isenção de vistos para negócios e turismo para alguns países e sua recente viagem para países da Ásia como uma demonstração de que o País “está no caminho certo”.

“O Brasil é um dos poucos países que têm um amplo mercado, das mais variedades para oferecer. Um povo que cada vez mais se mostra interessado em produzir e cooperar com seu Brasil”, listou.