Economia

Bolsonaro faz audiência virtual e cancela viagem depois de recomendação de quarentena pela Anvisa

Crédito: REUTERS/Adriano Machado

Presidente Jair Bolsonaro cancela viagem (Crédito: REUTERS/Adriano Machado)

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) – O presidente Jair Bolsonaro decidiu permanecer no Palácio da Alvorada nesta quarta-feira e cancelou uma viagem programada para sexta-feira ao Paraná, depois que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou que toda a comitiva vinda dos Estados Unidos permanecesse em isolamento.

O único compromisso da agenda do presidente, uma reunião com Pedro Cesar Sousa, subchefe para assuntos jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência, foi atualizado na agenda para acontecer de forma virtual.

Já a viagem ao Paraná, que incluía uma ida a Ponta Grossa na sexta e uma motociata em Piraí no sábado, foi retirada das previsões de viagem logo depois de o aviso ter sido divulgado pelo Planalto.



Na tarde desta quarta, o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Rodrigo Cruz, irá explicar quais as medidas que serão adotadas pelo governo federal para os integrantes da comitiva do presidente.

Bolsonaro, ministros e outras pessoas que acompanharam o presidente a Nova York tiveram contato próximo com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, diagnosticado com Covid-19 na terça-feira, logo antes de embarcar. Sem sintomas inicialmente, o ministro teve febre baixa durante à noite, de acordo com sua assessoria, mas foi medicado e está bem.

Em nota na noite de terça, a Secretaria de Comunicação da Presidência confirmou a contaminação do ministro, mas afirmou que os demais membros da comitiva haviam sido testados, todos com resultado negativo.

Com exceção de Queiroga e do ministro das Relações Exteriores, Carlos França –que ficou em Nova York para uma série de encontros bilaterais–, os demais voltaram ao Brasil junto com Bolsonaro.

Nesta quarta, depois da recomendação da Anvisa para que todos permanecessem em quarentena, os membros da comitiva que estão em Brasília permaneceram em trabalho remoto até uma decisão de Bolsonaro sobre o cumprimento da quarentena.

De acordo com a assessoria da Caixa, o presidente do banco, Pedro Guimarães, está em isolamento e ficará em trabalho remoto.

O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, também estava em trabalho remoto e, de acordo com sua assessoria, faria um novo teste PCR ainda nesta quarta-feira. Já a assessoria do ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, informou que ele não terá agenda pelo menos nos próximos dois dias.

Os ministros do Planalto que estiveram na viagem com o presidente –Luiz Eduardo Ramos (Secretaria-geral da Presidência) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional– não foram ao palácio pela manhã.

A assessoria de Heleno informou que o ministro aguardava as orientações da Casa Civil. Consultado pela Reuters, Ramos afirmou que seguiria “as determinações do presidente”, mas não informou quais seriam.

O ministro das Relações Exteriores, no entanto, manteve a agenda normal em Nova York, depois de se chegar a aventar a suspensão. França tem na agenda seis reuniões. Uma delas, com os chanceleres de Alemanha, Índia e Japão, no chamado G4, o grupo de países que pleiteia juntos vagas em uma eventual reforma do Conselho de Segurança da ONU.

De acordo com o Itamaraty, França segue as normas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC): pessoas que tiveram contato com outras contaminadas mas não tem sintomas não precisam fazer quarentena, devem usar máscara e ser testado entre o terceiro e quinto dia da exposição. O chanceler foi testado novamente esta manhã e teve resultado negativo.

No entanto, França teve vários encontros com Queiroga na terça-feira, o que significa que precisa ser testado na sexta-feira.

A Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos informou que o secretário Flávio Rocha também segue em Nova York, cumprindo sua agenda no âmbito da Assembleia da ONU. Rocha testou negativo para Covie-19 e deve regressar ao Brasil na sexta-feira.

Segundo a secretaria, “de acordo com as regras estabelecidas no guia da ONU de respostas a casos de Covid-19 não há necessidade de quarentena para aquele que tenha mantido contato com pessoa contaminada, se estiver com o esquema de vacinação completo e não apresentar sintomas”.

Em seu ofício, dirigido à Casa Civil, a Anvisa recomendou que todos os integrantes da comitiva que tiveram contato com Queiroga fiquem em isolamento por 14 dias, não viagem e façam novos testes no Brasil.

A porta-voz das Nações Unidas, Stephane Dujarric, afirmou nesta quarta que a instituição foi informada da contaminação de Queiroga e está analisando a possível exposição de delegados e servidores para que sejam notificados e tomem as precauções necessárias.

A Missão Brasileira recolheu seus funcionários e deve ficar em isolamento pelos próximos 14 dias.

Entre todos os membros de alto escalão da comitiva, apenas Bolsonaro ainda não foi vacinado. O presidente teve Covid em julho de 2020 e ficou parcialmente isolado no Alvorada por 18 dias, até receber resultado negativo para o teste.

Recentemente, disse a apoiadores que acredita ter sido novamente contaminado, porque seu teste de anticorpos teria dado um resultado alto –o que ele considera uma justificativa válida para não se vacinar.

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEH8L0XN-BASEIMAGE

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km

Tópicos

Updated