Finanças

Bolsas na Europa fecham em queda, com tecnologia e incerteza com Brexit

Crédito: Reprodução/Bolsa de Madri

Em Madri, o IBEX 35 teve baixa de 1,78%, a 6.955,00; já o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em baixa de 1,15%, a 363,75 pontos (Crédito: Reprodução/Bolsa de Madri)

As bolsas da Europa fecharam em queda nesta terça-feira, 8, influenciadas pela reabertura de Wall Street, marcada por baixas nas empresas de tecnologia. Pesou ainda a indefinição e os riscos para a obtenção de um acordo entre Reino Unido e União Europeia após o Brexit, em um cenário de aversão a riscos, com o conflito comercial sino-americano dando sinais de escalada.

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em baixa de 1,15%, a 363,75 pontos.

Com o retorno do mercado dos Estados Unidos, após a pausa pelo Dia do Trabalho na segunda-feira, as bolsas europeias seguiram a queda guiada pelo setor de tecnologia.

+ Bolsas da Ásia fecham em alta generalizada, apesar de tensões entre EUA e China
+ Otimismo com vacina e estímulos fazem bolsas da Europa fecharem em firmes ganhos 

A holandesa de microchips ASML Holding e a britânica de software Micro Focus International estiveram entre as maiores quedas do dia na Europa, com baixa de 4,43% da Micro Focus, em Londres.

“O setor de tecnologia está sob forte pressão em toda a Europa e nos grandes nomes dos Estados Unidos, que impulsionaram os índices dos EUA de volta, entrando em uma sessão difícil”, indicou Craig Erlam, da Oanda, que vê possibilidade de quedas ainda maiores. O desempenho na última semana do setor de tecnologia dos Estados Unidos foi o pior em cinco meses.

Quanto ao Brexit, começou nesta terça a oitava rodada de negociações, com a informação de que o governo britânico decidiu intensificar seus preparativos para deixar o bloco caso nenhum acordo comercial apresentar progresso nesta semana. Há dúvidas no mercado sobre se esta seria mais uma pressão do primeiro-ministro Boris Johnson para obter mais concessões do continente. A questão levantou ponderações em ambos os lados do Canal da Mancha e se refletiu nas bolsas.

Já o embate sino-americano teve uma nova possível escalada, colaborando para a aversão a riscos. No domingo, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que dissociar as economias das duas maiores potências econômicas do globo não traria prejuízos.

Com isso, o FTSE 100, de Londres, caiu 0,12%, a 5.930,30 pontos, enquanto o DAX, de Frankfurt, baixou 1,01%, a 12.968,33 pontos. Em Paris, o CAC 40, de Paris, cedeu 1,59%, a 4.973,52 pontos.

Em Milão, o FTSE MIB recuou 1,81%, a 19.380,18 pontos.

Em Madri, o IBEX 35 teve baixa de 1,78%, a 6.955,00.

Em Lisboa, o PSI 20 teve queda de 1,10%, a 4.260,88 pontos.

*Com informações Dow Jones Newswires.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?