Finanças

Bolsas de NY fecham quase estáveis, com dados, notícias corporativas e Fed

As bolsas de Nova York fecharam nesta segunda-feira sem sinal único, mas bem próximas da estabilidade. Declarações de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), notícias envolvendo empresas importantes e alguns indicadores estiveram no radar dos investidores.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,06%, em 26.949,99 pontos, o Nasdaq recuou 0,06%, a 8.112,46 pontos, e o S&P 500 teve queda de 0,01%, a 2.991,78 pontos.

As praças americanas tiveram abertura negativa, com a ação da Boeing em foco. A notícia de que a empresa americana pode enfrentar uma investigação antitruste na Europa de até cinco meses por sua oferta pelo controle da divisão comercial da Embraer pressionou o papel da empresa. A ação da Boeing fechou em baixa de 0,62%.

Dados modestos da Europa também contribuíram para o pouco impulso. O quadro melhorou um pouco mais para o fim da manhã, quando o índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) composto dos EUA subiu de 50,7 em agosto para 51,0 na preliminar de setembro, segundo a IHS Markit. Além disso, houve relatos de comércio de soja entre EUA e China, um sinal que pode ser positivo para as relações comerciais.

O impulso trazido pelas notícias, porém, foi modesto e os índices oscilaram sem impulso. Em meio a algumas declarações de dirigentes do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) houve algumas máximas, mas também com pouca força. O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, recomendou a adoção de um instrumento permanente de recompra para o Fed. Além disso, Bullard disse que pode haver mais desaceleração na economia americana, por isso ele defende mais relaxamento monetário.

Entre outras ações em foco, a Apple subiu 0,45%, após a notícia de que o novo MacPro será produzido no Texas, uma reviravolta após a companhia ter dito anteriormente que tinha a intenção de transferir essa produção para a China.

Em outros setores, o financeiro avançou, mas não houve sinal único entre os grandes bancos: Goldman Sachs caiu 0,13% e JPMorgan recuou 0,02%, enquanto Citigroup subiu 0,29% e Wells Fargo teve ganho de 0,68%. Já papéis de serviços de comunicação caíram, com Facebook em queda de 1,64%.