Finanças

Bolsas de NY fecham mistas e S&P 500 renova recorde histórico

Crédito: Pexels

O índice Dow Jones subiu 0,20%, a 29.884,78 pontos, o S&P 500 avançou 0,18%, a 3.668,99 pontos, enquanto o Nasdaq recuou 0,05%, a 12.349,37 pontos (Crédito: Pexels)

Os índices acionários das bolsas de Nova York fecharam mistos nesta quarta-feira, 2, com os mercados internacionais acompanhando a evolução dos planos de distribuição de vacinas contra a covid-19 e as negociações por um novo pacote de estímulos nos Estados Unidos. O dia foi marcado também por realização de lucros após rali nas bolsas nova-iorquinas ontem. O índice S&P 500 renovou, pelo segundo dia seguido, o seu recorde histórico de fechamento.

O índice Dow Jones subiu 0,20%, a 29.884,78 pontos, o S&P 500 avançou 0,18%, a 3.668,99 pontos, enquanto o Nasdaq foi na contramão e recuou 0,05%, a 12.349,37 pontos. Empresas petrolíferas estiveram entre as que beneficiaram sustentaram os negócios hoje, após avanços nos preços do petróleo causados pela queda de estoque da commodity nos EUA, além de relatos de que avançaram as negociações pela extensão de cortes na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+).

+ Bolsas da Europa fecham majoritariamente em alta, com planos para vacina no radar
+ Maioria das Bolsas da Ásia fecha em alta, mas Xiaomi tomba e pressiona mercados

A ExxonMobil fechou o pregão em alta de 3,74%, enquanto as ações da Chevron avançaram 2,77% nesta quarta. Entre os destaques negativos, a desenvolvedora de softwares Salesforce recuou 8,52% hoje, após anunciar na noite de ontem a compra da plataforma de mensagens corporativas Slack.

O mercado também acompanhou de perto as negociações entre o governo e o Congresso americano pela aprovação de um pacote de estímulos para acelerar a recuperação econômica no país após a pandemia do novo coronavírus. Após o diretor do Conselho Econômico da Casa Branca, Larry Kudlow, afirmar que não há chances de um pacote de US$ 3 trilhões ser aprovado, lideranças republicanas viram disposição dos democratas para superar os impasses bipartidários e liberar os estímulos o quanto antes. Segundo fontes informaram ao Politico, a proposta final da presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, gira em torno de US$ 1,3 trilhão.

Dois presidentes de distritais do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) sinalizaram pela importância da aprovação de um pacote de estímulos. O dirigente do Fed de Nova York, John Williams, afirmou que houve desaceleração da atividade americana por conta da falta de apoio fiscal, enquanto o presidente da distrital de Dallas, Robert Kaplan, considerou que mais estímulos podem ajudar os EUA a atravessar o primeiro semestre de 2021, em meio à segunda onda de covid-19 no país.

Diante das discussões sobre o apoio fiscal do governo americano, investidores apenas monitoraram a divulgação do Livro Bege do Fed, que apontou para uma aceleração econômica moderada na maior parte dos distritos dos EUA desde o fim de outubro.

Por fim, o noticiário sobre a distribuição de uma vacina contra o coronavírus influenciou os mercados nesta quarta. O Reino Unido e a Rússia divulgaram planos para começar seu programa de imunização já na semana que vem. Enquanto isso, após conseguir a aprovação britânica, o consórcio entre Pfizer e BioNTech aguardam o aval das agências reguladoras da União Europeia e dos EUA para o uso emergencial de sua vacina.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel