Finanças

Bolsas de NY fecham em forte queda com temores de nova onda de covid-19

Crédito: AFP/Arquivos

Placa de Wall Street diante da fachada da Bolsa de Nova York (Crédito: AFP/Arquivos)

As bolsas de Nova York tiveram hoje o pior pregão em quase três meses, em meio a preocupações de que uma nova onda de coronavírus possa atrasar a já incerta recuperação da economia.

O índice Dow Jones encerrou em queda de 6,90%, a 25.128,17 pontos, o maior recuo percentual desde 16 de março. O S&P 500 cedeu 5,89%, a 3.002,10 pontos, enquanto o Nasdaq perdeu 5,27%, a 9.492,73 pontos. As perdas foram generalizadas, mas a ação da Boeing apareceu como destaque negativo, com tombo de 16,42%. Os bancos também registraram baixas consideráveis, com o Bank of America recuando 10,04%, o Citigroup caindo 13,37% e o Goldman Sachs desabando 9,08%.

Microsoft se une aos rivais e veta uso de reconhecimento facial à polícia

Especialistas em economia temem “década perdida” na América Latina devido à pandemia

Apple destina US$ 100 milhões a iniciativa de justiça racial

Desde o início do dia, o quadro foi de aversão ao risco, ainda repercutindo as previsões pessimistas do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) para a atividade econômica norte-americana. Ontem, após decisão de política monetária, a autoridade monetária projetou que o Produto Interno Bruto (PIB) do país encolherá 6,5% este ano e que a taxa de desemprego ficará acima de 9%.

Pela manhã, o Departamento de Trabalho dos EUA informou que os pedidos de auxílio-desemprego tiveram queda de 355 mil na semana passada, a 1,595 milhão, prosseguindo movimento descendente, mas ainda na casa do milhão.

À tarde, os principais índices acionários aprofundaram o mergulho, em meio a novos dados sobre a pandemia de coronavírus. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos EUA revelou que o número de novos casos teve alta de 20 mil, mais que o avanço de cerca de 17 mil na atualização anterior. Texas, Califórnia e Flórida são alguns dos Estados que vêm registrando aumentos mais consideráveis nos diagnósticos.

“Os ganhos do mercado de ações estão lentamente sendo aniquilados à medida que a segunda onda de coronavírus atinge os EUA”, explica o analista de mercado financeiro da Oanda, Edward Moya.

Com a piora no cenário, o índice VIX, espécie de termômetro do medo em Wall Street, 47,95%, a 40,79 pontos.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?