Finanças

Bolsas de NY fecham em baixa com dado de varejo pesando

As bolsas de Nova York fecharam em baixa nesta quarta-feira à medida que, em um ambiente já de incertezas globais com idas e vindas no Brexit e nas negociações entre os Estados Unidos e a China, a queda inesperada registrada pelo indicador de vendas no varejo em território americano pesou sobre os negócios.

O índice Dow Jones caiu 0,08%, aos 27.001,98 pontos, o S&P 500 recuou 0,20%, aos 2.989,69 pontos, e o Nasdaq perdeu 0,30%, aos 8.24,18 pontos.

Quem esperou uma resolução para o impasse do Brexit durante o pregão desta quarta-feira acabou ficando frustrado, apesar das intensas negociações entre autoridades britânicas e União Europeia (UE), que tentam chegar a um consenso antes do fim da semana – nesta quinta, começa a cúpula do Conselho Europeu, que reunirá durante dois dias os chefes de governo e Estado dos 28 Estados-membros da UE.

A falta de novidades para a guerra comercial entre Estados Unidos e China também colaborou para o clima de incertezas, com investidores ainda monitorando a fala de mais cedo do líder da Casa Branca, Donald Trump, de que um entendimento final só seria assinado depois de seu encontro com o presidente do país asiático, Xi Jinping, em novembro, no Chile, na cúpula da Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec, na sigla em inglês).

Nesse clima incerto, pesou sobre as ações a queda de 0,3% das vendas no varejo dos EUA em setembro ante agosto, registrando a primeira queda desde fevereiro. Analistas consultados pelo The Wall Street Journal previam aumento de 0,2% nas vendas.

O economista sênior do Wells Fargo Tim Quinlan avalia que o recuo inesperado do indicador representa uma “desaceleração” no ritmo de consumo, mas “não um colapso”.