Finanças

Bolsas de NY fecham em alta, estimuladas por Powell e bons desempenho de techs

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta terça-feira, 22, após abertura semanal em baixa. Os setores de tecnologia e serviços de comunicação foram responsáveis por alguns dos principais ganhos na sessão. Os reforços ao longo do dia à adoção de estímulos fiscais pelo presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, e pelo secretário do Tesouro dos EUA, Steve Mnuchin, auxiliaram nas altas.

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,52%, em 27.288,18 pontos. O S&P 500 avançou 1,05%, a 3.315,57 pontos, e o Nasdaq subiu 1,71%, a 10.963,64 pontos.

Em audiência no Congresso dos EUA, Powell renovou compromisso para usar todos os instrumentos necessários para a superação da crise provocada pela covid-19. O banqueiro central reiterou que os juros devem ficar baixos por um bom tempo e argumentou que a economia precisa de novas medidas de estímulos fiscais. Por sua vez, Mnuchin reiterou que a Casa Branca está em busca de um acordo no Legislativo para um pacote de auxílios.

A Capital Economics avaliou que as quedas recentes no mercado acionário estão ligadas “às chances de fracasso de outra rodada de apoio fiscal nos EUA em breve”. As baixas nos últimos dias estiveram mais relacionadas a fatores técnicos do mercado do que a preocupações com perspectivas econômicas, afirma a consultoria.

Na percepção da Capital Economics, a volatilidade das ações que caíram por conta de notícias negativas sobre coronavírus também pode representar alta em caso de melhora no cenário: “Na medida em que foram motivados por preocupações com o aumento do número de casos e novas restrições, parece razoável para nós esperar que eles diminuam quando esses números começarem a cair novamente – e ainda mais se e quando uma vacina segura e eficaz eventualmente tornar-se amplamente disponível”.

O setor de tecnologia teve grandes altas na sessão de hoje, após alguns dias de perdas, no que na última semana chegou a ser chamado de “Techxit” pelo Commerzbank. A Capital Economics avalia que “deixando de lado as movimentações de agosto, argumentamos contra a ideia de que os preços das ações das maiores empresas de tecnologia em geral estão excessivamente inflados”. A Amazon registrou alta de 5,69% no dia, acompanhada por Twitter (+7,09%), Alphabet (2,08%) e Apple (1,57%).

O Facebook teve alta de 2,66%, em um dia marcado pela notícia de que a rede social pode intervir nos conteúdos em sua plataforma caso haja situações de violência seguindo os resultados das eleições presidenciais dos EUA.

Pelo lado negativo, as bolsas foram pressionadas pelo setor financeiro, com quedas de bancos como Goldman Sachs (-1,23%), JPMorgan (-1,09%) e Morgan Stanley (-1,51%). O setor tem sido pressionado após o BuzzFeed e o ICIJ mostrarem que esquemas de lavagem de dinheiro envolvendo grandes bancos movimentaram mais de US$ 2 trilhões nas últimas duas décadas.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?