Finanças

Bolsas de NY fecham em alta, com bancos e aéreas puxando índices

As bolsas de Nova York fecharam em alta robusta nesta terça-feira, 20, e se recuperaram das perdas de ontem, em sessão marcada pela retomada do sentimento de risco nos mercados globais, no dia seguinte ao “sell-off” provocado por temores relacionados à pandemia de covid-19. Entre os destaques negativos do último pregão, bancos e aéreas puxaram o avanço dos índices hoje.

O Dow Jones fechou em alta de 1,62%, aos 34.511,99 pontos, o S&P 500 subiu 1,52%, aos 4.323,06 pontos, enquanto o Nasdaq avançou 1,57%, aos 14.498,88 pontos.

Na avaliação da Capital Economics, a recente fraqueza das bolsas nova-iorquinas se explica pelo temor de investidores de que o recrudescimento da crise sanitária, em face da disseminação da variante delta do coronavírus, numa resposta à chamada “negociação de reflação”, característica em ambientes de forte apoio monetário.

Contudo, a consultoria britânica diz que ainda não há razão para crer que a nova cepa vai atrasar ou desacelerar a recuperação da economia norte-americana e, por isso, a exemplo de hoje, os mercados acionários devem se recuperar adiante.



Tentando afastar a cautela após forte queda nos juros dos Treasuries, ações do setor financeiro se recuperaram do tombo de ontem, com destaque para Wells Fargo e Morgan Stanley, que subiram 4,20% e 3,28%, respectivamente. Movimento similar ocorreu com papéis de petroleiras, que acompanharam o avanço dos contratos de petróleo. A ExxonMobil fechou em alta de 1,16% hoje.

Também fortemente penalizadas pela liquidação da segunda-feira, papéis de companhias aéreas e de empresas relacionadas ao setor de viagens tiveram forte avanço hoje. A American Airlines teve alta de 8,38%, seguida pela United Airlines, que avançou 6,58%, antes de apresentar seu balanço corporativo do segundo trimestre de 2021. Na esteira das altas no setor, a Boeing cresceu 4,91% e retomou o patamar do fechamento da sexta-feira passada.

Entre os poucos destaques negativos do dia, a ação da Nvidia, principal fabricante de placas gráficas para computadores pessoais, recuou 0,89%, pressionadas pela queda do bitcoin durante a sessão. O movimento ocorre pois a desaceleração do mercado de criptomoedas sugere lucros menores para a companhia, já que a venda para mineradores dos ativos digitais é uma das suas fontes de receita.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago