Finanças

Bolsas de NY fecham em alta, apoiadas por desistência de Sanders


As bolsas de Nova York registraram dia positivo, sustentadas sobretudo após a notícia de que o pré-candidato democrata Bernie Sanders desistiu da disputa. Como ele é visto com ressalvas pelo mercado, isso impulsionou o apetite por risco e a compra de ações, com os setores financeiro e petroleiras entre os destaques.

O índice Dow Jones fechou em alta de 3,44%, em 23,433,57 pontos, o Nasdaq subiu 2,58%, a 8.090,90 pontos, e o S&P 500 teve ganho de 3,41%, a 2.749,98 pontos.

Os rumores sobre a saída de Sanders já apoiavam as bolsas, que atingiram máximas após a confirmação da notícia. Com isso, o presidente Donald Trump deve ter como rival na disputa pela Casa Branca o ex-vice-presidente Joe Biden, visto como mais integrado ao establishment do Partido Democrata e como mais moderado. No setor de saúde, Alexion Pharmaceuticals, por exemplo, subiu 4,05% – a proposta de Sanders de reformas nessa área desagradava investidores.

Mais cedo, o BMO Capital apontava que já havia apetite por risco, aparentemente com a expectativa de reabertura em breve de algumas partes da economia. Ainda há, contudo, incerteza considerável e o governador do Estado de Nova York, Andrew Cuomo, advertiu para o fato de que os novos casos da covid-19 devem continuar a crescer nos próximos dias ali. Nas últimas 24 horas, o Estado registrou novo recorde de mortes pela doença, 779.

Entre algumas ações importantes, papéis do setor de energia se beneficiaram pela força do petróleo. ExxonMobil subiu 6,33% e ConocoPhillips, 7,24%, entre as petroleiras. Os bancos também se destacaram, com Citigroup em alta de 7,30%, Bank of America de 5,92% e Goldman Sachs, de 6,59%. Entre outros papéis de relevo, Boeing subiu 3,74% e, no setor de tecnologia, Apple ganhou 2,56% e Microsoft, 1,00%.

Em meio ao bom humor, McDonald’s subiu 1,08%, mesmo após a empresa alertar sobre “escolhas difíceis” pela frente, com a pandemia prejudicando suas vendas.