Finanças

Bolsas de NY caem com postura de Trump sobre China e rumor de impeachment

As bolsas de Nova York chegaram a subir pela manhã desta terça-feira, com investidores mostrando maior otimismo sobre a possibilidade de um acordo comercial entre Estados Unidos e China. A postura do presidente americano, Donald Trump, porém, piorou o humor em relação a esse tema. Além disso, uma crise política americana que pode resultar num processo de impeachment contra Trump gerou cautela, levando os índices acionários a registrar mínimas ao longo da tarde.

O índice Dow Jones fechou em queda de 0,53%, em 26.807,77 pontos, o Nasdaq caiu 1,46%, a 7.993,63 pontos, e o S&P 500 teve baixa de 0,84%, a 2.966,60 pontos.

Declarações do secretário de Tesouro americano, Steven Mnuchin, de que os EUA e a China retomarão as negociações comerciais em duas semanas ajudaram as bolsas pela manhã. Além disso, houve relatos de que o país asiático autorizou empresas locais a comprar mais soja americana isenta de tarifas retaliatórias.

O bom humor sobre o diálogo, contudo, foi ofuscado pela postura de Trump. Em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, o presidente americano disse que não aceitará um acordo comercial que seja negativo para seu país e voltou a qualificar a China como “manipuladora cambial”. Trump ainda criticou as empresas de redes sociais, que segundo ele estariam silenciando vozes conservadoras.

Em meio às declarações, os setores de tecnologia e de serviços de comunicação recuaram. Papéis de energia também caíram, em jornada negativa para o petróleo.

Além disso, rumores de que a oposição do Partido Democrata deve pressionar pelo impeachment de Trump geraram maior cautela. Reportagens na imprensa americana apontaram que o presidente teria pressionado o líder da Ucrânia a investigar o ex-vice-presidente Joe Biden, pré-candidato à presidência em 2020. O próprio Biden veio a público e criticou a postura de Trump, defendendo uma investigação do episódio e que se lance um processo de impeachment. Segundo o jornal The Washington Post, a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, deveria falar após o fechamento em Nova York e lançar um comitê para conduzir um eventual pedido de impeachment de Trump.

Nesse quadro, quase todos os setores encerraram o dia em território negativo. Concessionárias foram uma exceção, já que esses papéis são mais procurados em quadros de cautela. Já os setores de tecnologia e serviços de comunicação mostraram queda superior a 1%, com a ação da Apple em baixa de 0,48%, Facebook em baixa de 2,97% e Netflix, de 4,26%.

Entre as petroleiras, Chevron caiu 0,93% e ExxonMobil, 1,37%, em jornada ruim para o petróleo. Papéis de banco tampouco se saíram bem, com Goldman Sachs em baixa de 2,67%, JPMorgan de 1,30% e Citigroup, de 2,37%.