Finanças

Bolsas da Europa tombam com risco de pandemia de coronavírus

Crédito: AFP/Arquivo

Bolsa de valores da Espanha (Crédito: AFP/Arquivo)


As bolsas da Europa fecharam em forte queda nesta quinta-feira, 27, com o avanço do coronavírus pelo mundo e as incertezas sobre o impacto do surto na economia global. A Organização Mundial de saúde (OMS) citou hoje, pela primeira vez, a possibilidade de uma pandemia, provocando uma fuga em massa de ativos de risco como as ações.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 3,76%, aos 320,30 pontos, perdendo o piso de 400 pontos obtido no início deste ano após a reaproximação comercial entre China e Estados Unidos.

+ BC tem perda de R$ 4,539 bi com swap cambial em fevereiro até dia 21
+ EUA: Até 70% da população global pode contrair coronavírus, dizem pesquisadores 

Na Alemanha, o ministro da Saúde, Jens Spahn, disse que o país está no início da epidemia, com novos casos que não podem mais ser rastreados até a fonte original do vírus na China. Na Itália, o número de infectados e mortos cresce diariamente.

Em Frankfurt, o índice DAX-30 fechou em queda de 3,19%, com 12.367,46 pontos, com destaque para as ações do Deutsche Bank que se desvalorizaram 6,55%. Em Londres, o FTSE-100 fechou em baixa de 3,49%, a 6.796,40 pontos. As ações da BP caíram 3,33% e as da BHP recuaram 4,39%. Em Milão, após recuperação de partes das perdas com uma subida expressiva ontem, o FTSE MIB tombou com os demais índices, fechando em queda de 2,66%, com 22.799,37 pontos.

Em meio ao temor generalizado, aumentam as restrições de viagens. Autoridades do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial consideram fazer um “encontro virtual” no lugar das reuniões de Primavera marcadas para abril, época em que 10 mil pessoas de mais de 180 países costumam se encontrar em Washington. Na Suíça, a gigante de alimentação Nestlé suspendeu as viagens de seus executivos para outros países até pelo menos meados de março.

Em relatório a clientes, a HFE adverte que as consequências do surto podem ser “severas e de longa duração”. O Julius Baer afirma que pode perdurar o quadro de “baixo crescimento e repressão financeira” devido ao coronavírus.

Em Paris, o CAC-40 caiu 3,32%, a 5.495,60 pontos. Em Madri, o Ibex 35 fechou em queda de 3,55%, a 8.985,90 pontos. Em Lisboa, o PSI20 recuou 3,10% a 4.952,15.