Finanças

Bolsas da Europa fecham em alta com dados indicando expansão da indústria local

Crédito: Reprodução/Bolsa de Londres

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou em queda de 0,59%, a 367,48 pontos (Crédito: Reprodução/Bolsa de Londres)

As bolsas da Europa encerraram o pregão desta segunda-feira (03) em alta, amparadas pela notícia de que a indústria do continente, voltou a se expandir após o forte golpe da covid-19 na economia local. O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o primeiro pregão de agosto em alta de 2,05%, a 363,64 pontos.

Indicadores macroeconômicos que deram o tom à sessão europeia de hoje. O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial da zona do euro, elaborado pelo instituto IHS Markit, avançou de 47,4 em junho a 51,8 em julho, superando, inclusive, a previsão de analistas do Wall Street Journal, que era de alta a 51,1. A leitura acima da marca de 50 pontos aponta que a indústria do bloco voltou a se expandir. “Mesmo que o PIB do segundo trimestre tenha confirmado que as economias europeias se contrariam mais que os Estados Unidos, acontecimentos recentes criaram mais otimismo para os países de lá”, diz o Barclays, em nota. “A recuperação está em curso mas algumas incertezas ainda obscurecem as perspectivas”, pondera o banco.

+ Bolsas da Ásia fecham em alta, após dado da China e com tecnologia em destaque
+ Bolsas de NY fecham em alta, apoiadas por balanços corporativos 

O PMI da Alemanha, a principal economia do continente, também superou previsão de avanço à marca neutra de 50 pontos e se fortaleceu de 45,2 em junho a 51,0 em julho. Com isso,o índice Dax, de Frankfurt, fechou a segunda-feira com avanço de 2,11%, aos 12.646,98 pontos, acompanhado pelo CAC 40, de Paris, encerrou em alta de 1,93%, aos 4.875,93 pontos.

Apesar do fechamento significativo – alta de 2,29%, aos 6.032,85 pontos, com ajuda da libra fraca ante o dólar – o índice FTSE 100, da Bolsa de Londres, teve ganhos contidos em boa parte da manhã. Isso porque o Reino Unido reportou que o PMI industrial local até avançou – de 50,1 em junho a 53,3 em julho, na máxima em 32 meses -, mas abaixo das expectativas de alta um pouco maior, a 53,6. Houve ainda alguma pressão das ações do HSBC, que fecharam em queda de 2,91%, após o banco reportar tombo de 96% no lucro líquido do segundo semestre, na comparação anual, diante dos impactos da pandemia.

Entre outras praças europeias, o índice FTSE MIB, da Bolsa de Milão, fechou o pregão em alta de 1,51%, aos 19.379,79 pontos. Já o Ibex 35, de Madri, marcou alta de 1,42%, aos 6.975,00 pontos, e o PSI 20, de Lisboa, de 1,21%, aos 4.347,85 pontos.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?