Finanças

Bolsas da Europa fecham em alta com dados econômicos positivos

Crédito: Pexels

O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou com avanço de 0,29%, a 363,55 pontos, tendo subido 2,03% na comparação semanal (Crédito: Pexels)

As bolsas da Europa fecharam em alta nesta sexta-feira, 7, sustentadas pela repercussões de indicadores que apontam para a contínua recuperação das maiores economias do planeta. Os ganhos, contudo, foram limitados pelas preocupações quanto à escalada das tensões entre Estados Unidos e China. O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou com avanço de 0,29%, a 363,55 pontos, tendo subido 2,03% na comparação semanal.

Uma série de dados econômicos divulgados nesta sexta-feira corroborou a visão de que a retomada já está em curso. Durante a madrugada, a Administração Geral de Alfândegas da China informou que as exportações no país avançaram 7,2% de junho para julho, enquanto as importações aumentaram 1,4%.

+ Bolsas da Ásia fecham em baixa com novo capítulo de tensões entre EUA e China
+ Bolsas de NY fecham em alta após recuo em pedidos de auxílio-desemprego e Nasdaq 

Pela manhã, o Departamento do Trabalho dos EUA revelou que a economia americana gerou 1,763 milhão de empregos no mês passado, o que derrubou a taxa de desemprego a 10,2%. A mediana das previsões de analistas consultados pelo Projeções Broadcast apontava para a geração de 1,5 milhão de postos de trabalho.

Na Alemanha, a produção industrial também superou expectativas e cresceu 8,9% na passagem de maio para junho, de acordo com o Destatis, a agência de estatísticas alemã. O órgão reportou que as exportações no país saltaram 14,9% na mesma base comparativa.

Os dados foram bem recebidos pelo mercado e levaram a bolsa de Frankfurt a liderar o movimento de valorização na Europa. O índice DAX avançou 0,66%, a 12.674,88 pontos, nível 2,94% maior do que o da última sexta-feira.

Em Londres, o FTSE 100 se elevou 0,09%, a 6.032,18 pontos, com alta de 2,28% na semana. O papel da BP cedeu 2,97%, após a agência Reuters noticiar que, de acordo com fontes, a petrolífera pretender vender grande parte dos ativos de petróleo e gás, mesmo que os preços das commodities se recuperem dos impactos da covid-19.

O índice CAC 40, de Paris, ganhou 0,09%, a 4.889,52 pontos, uma valorização de 2,21% no acumulado das últimas cinco sessões. Em Milão, o FTSE MIB cresceu 0,21%, a 19.516,42 pontos, avanço semanal de 2,22%.

Apesar do otimismo, houve preocupações a respeito das tensões sino-americanas. Por meio de decreto, a Casa Branca determinou que as empresas americanas interrompam transações com as chinesas Tencent e ByteDance – controladoras dos aplicativos WeChat e TikTok, respectivamente – em 45 dias. Depois, o governo do presidente Donald Trump anunciou sanções contra autoridades do país asiático por conta da repressão em Hong Kong.

Em Madri, o Ibex 35 cedeu 0,11%, a 6.950,50 pontos, mas subiu 1,06% na semana. Em Lisboa, o PSI 20 recuou 0,25%, a 4.367,31 pontos, com alta semanal de 1,66%.

Veja também

+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos

+Conheça os 42 anos de história da picape Mitsubishi L200

+ Remédio barato acelera recuperação de pacientes com covid-19

+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil

+ Avaliação: Chevrolet S10 2021 evoluiu mais do que parece

+ Grosseria de jurados do MasterChef Brasil é alvo de críticas

+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados

+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020

+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea

+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?