Finanças

Bolsas da Ásia fecham majoritariamente em alta, seguindo NY, mas covid preocupa

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta quinta-feira, 22, após um dia de recuperação em Nova York e apesar de temores causados pela disseminação da covid-19 em partes do mundo.

Em Tóquio, o Nikkei saltou 2,38%, a 29.188,17 pontos. O índice, que havia acumulado fortes perdas nos dois pregões anteriores em meio a preocupações com um novo surto de coronavírus no Japão, foi impulsionado hoje por ações dos setores químico e farmacêutico.

Em outras partes da Ásia, o Hang Seng avançou 0,47% em Hong Kong, a 28.755,34 pontos, e o sul-coreano Kospi subiu 0,18% em Seul, a 3.177,52 pontos.

Na China continental, os mercados ficaram mistos: o Xangai Composto recuou 0,23%, a 3.465,11 pontos, mas o menos abrangente Shenzhen Composto teve alta de 0,48%, a 2.288,18 pontos. Em Taiwan, o Taiex registrou perda de 0,61%, a 17.096,97 pontos.

Ontem, as bolsas de Nova York se valorizaram de forma generalizada, à medida que investidores voltaram a mirar em sinais de retomada econômica dos EUA.

A covid-19, no entanto, permanece no radar. A Índia é o principal foco de preocupação na Ásia, com mais de 314 mil novos casos da doença nas últimas 24 horas, um recorde global. O Brasil, que vem liderando nos números diários de óbitos, também gera apreensão.

Na Oceania, a bolsa australiana ficou no azul hoje, com alta de 0,83% do S&P/ASX 200 em Sydney, a 7.055,40 pontos. (Com informações da Dow Jones Newswires e Associated Press).

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel