Finanças

Bolsas da Ásia ecoam humor da véspera em NY e fecham majoritariamente em alta

Os principais mercados acionários da Ásia e da Oceania encerraram o pregão desta terça-feira em alta, impulsionados pelo sentimento positivo visto na véspera nas bolsas de Nova York. A única exceção foi a praça de Tóquio, onde as negociações foram pressionadas pelo câmbio.

Ao mesmo tempo em que os investidores aguardam os números da inflação nos Estados Unidos, que saem no final da manhã desta quarta-feira, o humor do mercado parece ter atenuado em relação à semana passada.

Após as fortes correções nos preços das ações – iniciadas em Nova York e, posteriormente, repercutidas no restante do planeta -, desde o final do pregão americano na sexta-feira o sentimento majoritário é de que a volatilidade pode ter encontrado alguma acomodação.

Ontem, o índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, fechou em alta de 1,70%, aos 24.601,27 pontos. Entre a máxima e a mínima, o índice oscilou 475 pontos.

“É justo dizer que, embora a volatilidade tenha diminuído depois da queda de 1 mil pontos vista em alguns dias na semana passada, estas são sessões muito mais voláteis do que estamos acostumados”, afirmou, em nota, o analista Jasper Lawler, da corretora London Capital Group. “Mas, sem dúvida, o rali em Nova York sustentou os saudáveis ganhos vistos na Ásia.”

Desta forma, o sentimento majoritário na Ásia foi de alta. Na Coreia do Sul, o índice Kospi, da Bolsa de Seul, fechou em alta de 0,41%, aos 2.395,19 pontos. Nas Filipinas, o índice PSE, de Manila, subiu 0,17%, para 8.502,44 pontos.

Na China, o índice Xangai Composto subiu para 3.184,96 pontos (+0,98%), enquanto o Shenzhen Composto avançou para 1.729,74 pontos (+0,35%). Em Hong Kong, o Hang Seng subiu para 29.818,00 pontos (+1,22%).

Na Oceania, o índice S&P/ASX 200, da Bolsa de Sydney, encerrou em 5.855,90 pontos (+0,60%), e o S&P/NZX 50, da Bolsa de Wellington, subiu para 8.122,22 pontos (+0,78%).

Todo o bom humor, no entanto, não conseguiu sustentar a Bolsa de Tóquio em alta. Mas a reversão do sentimento ocorreu por causa da forte queda do dólar em relação ao iene, que prejudica o desempenho das ações de empresas exportadoras do Japão, de grande peso no índice Nikkei 225.

Os papéis da fabricante de pneus Bridgestone cederam 2,48% e os da montadora Honda perderam 1,71%. O índice Nikkei terminou em 21.244,68 pontos (-0,65%). Os investidores japoneses aguardam ainda os números do Produto Interno Bruto (PIB) do país, que serão divulgados às 21h50 (de Brasília) nesta terça-feira.