Finanças

Bolsas da Ásia e Pacífico seguem Nova York e fecham majoritariamente em alta

As bolsas da Ásia e do Pacífico encerram os negócios desta sexta-feira majoritariamente em alta, seguindo o tom positivo dos mercados de Nova York ontem, apesar de temores persistentes com o aumento de novos casos de coronavírus em alguns países, em especial nos EUA.

O índice acionário japonês Nikkei subiu 1,13% em Tóquio hoje, a 22.512,08 pontos, e o sul-coreano Kospi avançou 1,05% em Seul, a 2.134,65 pontos. Na China continental e em Taiwan, um feriado manteve as bolsas locais fechadas pelo segundo dia consecutivo.

+ Pandemia ‘varreu’ avanços econômicos do Sudeste Asiático, diz premiê do Vietnã
+ China está finalizando sistema próprio de localização por satélite como GPS, o BDS

Na Oceania, o mercado australiano também ficou no azul, com alta de 1,49% do S&P/ASX 200, a 5.904,10 pontos, graças principalmente ao bom desempenho de grandes bancos do país.

O bom humor predominou após as bolsas de Nova York terminarem o pregão de ontem com altas superiores a 1%, com o setor financeiro puxando o movimento após uma medida de alívio regulatório para bancos nos EUA.

A exceção na Ásia hoje foi a Bolsa de Hong Kong, que voltou de um feriado com queda de 0,93% do Hang Seng, a 24.549,99 pontos. Ontem, o Senado americano aprovou uma proposta para impor sanções a autoridades e empresas chinesas envolvidas na aplicação de novas leis de segurança nacional em Hong Kong.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel