Finanças

Bolsas asiáticas fecham mistas, de olho em estímulos para afastar recessão

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta terça-feira, à medida que expectativas de que grandes economias adotem novas medidas de estímulos contrabalançaram temores sobre uma possível recessão global.

As ações na China e em Hong Kong alternaram ganhos e perdas depois de o banco central chinês (PBoC) reduzir hoje sua nova taxa de empréstimos (LPR, pela sigla em inglês) de 1 ano, de 4,31% para 4,25%, como parte de uma reforma em seu sistema de juros anunciada no sábado (17). Já a nova LPR de 5 anos foi estabelecida em 4,85%.

A medida do PBoC tem como objetivo reduzir os custos de financiamento de empresas que enfrentam dificuldades em meio à desaceleração econômica da China, que está envolvida numa prolongada disputa comercial com os Estados Unidos.

Entre os mercados da China continental, o índice Xangai Composto teve baixa marginal de 0,11% hoje, a 2.880,00 pontos, mas o menos abrangente Shenzhen Composto registrou alta de 0,14%, a 1.574,12 pontos. Em Hong Kong, o Hang Seng caiu 0,23%, a 26.231,54 pontos.

Além da China, a Alemanha sinalizou no fim de semana que poderá ampliar gastos para evitar uma eventual recessão técnica. No segundo trimestre de 2019, o Produto Interno Bruto (PIB) da maior economia europeia sofreu contração de 0,1% ante os três meses anteriores.

Já os EUA decidiram ontem estender por 90 dias a licença para a gigante de telecomunicações chinesa Huawei comprar suprimentos de empresas americanas, gerando algum alívio na disputa comercial sino-americana.

Em outras partes da Ásia, o japonês Nikkei subiu 0,55% em Tóquio nesta terça, a 20.677,22 pontos, impulsionado por ações ligadas à demanda doméstica, enquanto o sul-coreano Kospi avançou 1,05% em Seul, a 1.960,25 pontos, graças a papéis dos setores de eletrônicos e químico, e o Taiex se valorizou 0,32% em Taiwan, a 10.522,50 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana teve forte desempenho pelo segundo pregão consecutivo, mais uma vez ajudado por ações de petrolíferas. O S&P/ASX 200 subiu 1,20% em Sydney, a 6.545,00 pontos, garantindo seu maior avanço diário em dois meses.

Na ata de sua última reunião de política monetária, o banco central da Austrália – conhecido como RBA – afirmou que poderá voltar a cortar juros, se necessário. No começo deste mês, o RBA manteve sua taxa básica de juros na mínima histórica de 1%, após reduzi-la em meio ponto porcentual em junho e julho. Com informações da Dow Jones Newswires.