Finanças

Bolsas asiáticas fecham em alta, graças a setor petrolífero, mas EUA preocupam

Crédito: AFP

Uma tela indica os preços do mercado de ações em uma rua de Tóquio (Crédito: AFP)


As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta quinta-feira, impulsionadas por ações de petrolíferas, em meio a esperanças de que Arábia Saudita e Rússia possam chegar a um acerto e encerrar sua guerra de preços do petróleo. O avanço do coronavírus nos EUA, no entanto, continua preocupando à medida que ameaça cada vez mais a maior economia do mundo.

Na China continental, o Xangai Composto subiu 1,69% hoje, a 2.780,64 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 2,26%, a 1.697,55 pontos.

+ Coreia do Norte insiste que não tem nenhum caso de coronavírus
+ BCE adia revisão de estratégia de política monetária para 2021
+ UE propõe até 100 bilhões de euros para apoiar emprego frente à crise

Em outras partes da Ásia, o Hang Seng se valorizou 0,84% em Hong Kong, a 23.280,06 pontos, e o sul-coreano Kospi teve alta de 2,34% em Seul, a 1.724,86 pontos, mas o japonês Nikkei foi na contramão e recuou 1,37% em Tóquio, a 17.818,72 pontos, pressionado por ações financeiras e de montadoras. Em Taiwan, não houve negócios nesta quinta devido a um feriado local.

Ontem, o presidente dos EUA, Donald Trump, se mostrou confiante de que Arábia Saudita e Rússia logo chegarão a um acordo para encerrar a prejudicial guerra de preços de petróleo que recentemente derrubou as cotações da commodity para os menores níveis em 18 anos. Em reação à fala de Trump, os futuros do petróleo chegaram a saltar mais de 10% durante a madrugada.

Por outro lado, a rápida propagação do coronavírus nos EUA mantém investidores cautelosos. Os casos de infecção nos EUA dobraram entre sexta-feira e ontem, para mais de 200 mil, mantendo o país numa indesejável posição de liderança no mundo. E a Casa Branca estima que a Covid-19 – como é conhecida a doença causada pelo vírus – poderá matar entre 100 mil e 240 mil pessoas no território americano.

O impacto do coronavírus já começou a ser sentido na economia dos EUA, em especial no mercado de trabalho. Na manhã de hoje, vai ser divulgada a pesquisa de pedidos de auxílio-desemprego, que provavelmente continuarão na casa dos milhões, após atingirem recorde na semana passada.

Na Oceania, a bolsa australiana também se esquivou do viés positivo da Ásia e encerrou o pregão no vermelho, após a Moody’s rebaixar a perspectiva do sistema bancário local de estável para negativa. O S&P/ASX 200 caiu 1,98% em Sydney, a 5.154,30 pontos, à medida que as ações de grandes bancos domésticos sofreram tombos de 3,8% a 5,6%. Com informações da Dow Jones Newswires.