Finanças

Bolsa quebra recorde e atinge 76 mil pontos

Desempenho positivo é sustentado pelo apetite firme dos investidores; Dólar avança refletindo ganhos da moeda ante emergentes e ligados a commodities no mercado internacional

Crédito: Divulgação

A Plano & Plano estréia no Ibovespa nesta quinta-feira (17) (Crédito: Divulgação)

A Bolsa testou na manhã desta segunda-feira, 18, um novo patamar, dos 76 mil pontos, sustentada pelo apetite firme dos investidores e contrariando a previsão de uma primeira etapa sem grandes variações em razão do vencimento de opções sobre ações. Trata-se de nova marca histórica, embora o fôlego tenha diminuído ao fim da manhã.



O estímulo positivo para o índice veio do cenário internacional, onde as bolsas registram ganhos, amparadas pela expectativa de manutenção dos juros nos Estados Unidos pelo Federal Reserve na reunião desta semana, a despeito da chance de anúncio do início da redução do balanço da instituição.

No câmbio, a direção também é dada pelo exterior. O dólar sobe ante o real, refletindo os ganhos da moeda ante emergentes e ligados a commodities no mercado internacional. Em resposta à desvalorização mais acentuada do petróleo, que perde ao redor de 1%, chegou a superar R$ 3,13, na máxima.

Essa trajetória, porém, exerce pouca influência sobre os juros futuros. As taxas rondam a estabilidade, com viés de baixa, com o mercado já no aguardo do IPCA-15 e RTI programados para os próximos dias. A posse da nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, foi acompanhada sem reações nos mercados locais. Seu discurso, no entanto, ajudou a reforçar a percepção de que a atuação dela será mais moderada e discreta do que a de seu antecessor, Rodrigo Janot.

Sucessão na JBS. A permanência da família Batista na presidência da JBS com a eleição do fundador, José Batista Sobrinho para a cadeira, pesa nas ações da companhia, já que a expectativa do mercado era de que a prisão de Wesley Batista poderia resultar em uma profissionalização da gestão. Outro ponto destacado por operadores de mercado é a forma com que a eleição foi feita, num sábado à noite e de forma unânime pelo conselho de administração, mesmo com o BNDES posicionando-se contrário.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



JBS ON cai 3,62%, a R$ 8,53, como destaque de baixa do Ibovespa, que exibe ganhos de 0,26%, aos 75.955 pontos.

A JBS informou no domingo,  17, a eleição do novo presidente pelo conselho de administração de forma unânime, com a definição também de Time Global de Liderança, responsável por assessorar a presidência em tomada de decisões, composto por Gilberto Tomazoni, André Nogueira e Wesley Batista Filho.

O BTG Pactual, em comentário ao mercado, destacou que José Batista Sobrinho deve completar o mandato de dois anos de Wesley Batista, preso na semana passada. Segundo a equipe de análise do banco, a decisão reitera a posição de controle da família, fazendo com que os recentes rumores de venda de parte da empresa pelos Batistas não façam sentido. Outro ponto importante é o atraso na “tão esperada transição para uma gestão profissional”, avaliaram.

O BTG Pactual, assim como outros profissionais consultados pelo Estadão/Broadcast, também chamam atenção para a conselheira do BNDES ter aprovado o novo presidente, já que o banco havia declarado publicamente e por diversas vezes o desejo de substituir a família Batista.

“A reunião aconteceu no fim de semana e foi muito estranha. Não sabemos se teve quórum o suficiente”, comentou um operador, que preferiu não se identificar. A representante do BNDES na JBS é a advogada Claudia Santos.

Ao jornal O Globo, o presidente do banco de fomento, Paulo Rabello de Castro, disse que não sabia do encontro e que a representante do banco no Conselho, Claudia Santos, não o consultou.

“O BNDES não mudou de posição. A conselheira votou por conta própria e pode ter sido pressionada. Ela votou no sufoco, é uma excelente advogada. Não tomei conhecimento da reunião antes. Foi uma reunião na calada da noite e convocada às pressas. Essa reunião pode ser invalidada por não cumprir com algumas regras de governança, como uma pauta prévia. Vou consultar o jurídico do banco para verificar a possibilidade de anular a decisão”, afirmou Rabello na entrevista.

Um outro operador comentou que o mercado não vê com “bons olhos” esse embate do comando do BNDES com a conselheira. “A reunião não foi organizada de forma muito clara e a conselheira do BNDES votou sem conversar com o banco. Tudo isso pesa”, disse.

O BNDES informou que a conselheira deu quórum e foi válida. Rabello afirmou ainda que a realização da reunião no sábado, 16, mostra o quão é ruim a governança da JBS e que indicará dois novos conselheiros nesta segunda-feira, sendo que um deles será Cledorvino Belini e o outro ainda passará pela diretoria do BNDES.


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto