Finanças

Bolsa fecha estável (-0,01%), a 96.999,38 pontos, com perda de 1,31% na semana

O Ibovespa emendou nesta sexta-feira, 25, a quarta perda semanal, uma sequência que não se via desde o intervalo entre 17 de fevereiro e 20 de março, no auge da correção pandêmica, quando o índice da B3 encadeou cinco semanas negativas, com perdas que chegaram a 18,88% naquele último intervalo de cinco sessões. Agora, o ajuste é bem mais suave e gradual: nesta semana as perdas foram de 1,31%, após retrações de 0,07%, 2,84% e 0,88% nas anteriores. Assim, o Ibovespa combina perda de fôlego e pouco gosto por realização acentuada, em cenário de juros muito reduzidos por tempo prolongado – reiterado nesta semana pelo BC, na ata do Copom e no relatório trimestral de inflação.

+ Bolsas da Europa fecham na maioria em queda com covid no radar; Londres avança
+ Bolsas da Ásia e Pacífico fecham sem direção única, após ganhos modestos em NY 

Nesta sexta-feira, com poucos catalisadores disponíveis para orientar os negócios, os investidores pareciam, mais cedo, que colocariam no bolso parte da recuperação de ontem, quando o Ibovespa havia avançado mais do que Nova York. Hoje, contribuindo para neutralizar as perdas do dia na B3, os índices americanos mantiveram sinal positivo, acentuado à tarde, com destaque para o Nasdaq (+2,26%), que conseguiu encerrar a semana acumulando ganho de 1,11% – o dia também foi bom para o Dow Jones (+1,34%) e para o S&P 500 (+1,60%), ainda assim acumulando respectivamente perdas de 1,75% e de 0,63% na semana.

Hoje, o Ibovespa fechou praticamente estável, em levíssima baixa de 0,01%, aos 96.999,38 pontos, tendo chegado a 95.631,74 na mínima, saindo de 97.011,80 na máxima, equiparada à abertura (97.011,44). Fraco, o giro financeiro totalizou R$ 18,9 bilhões – no mês, o Ibovespa cede agora 2,38%, elevando as perdas no ano a 16,12%. Desde o último dia 18, o índice permanece abaixo dos 100 mil pontos, nos menores níveis de fechamento desde o início de julho. No pior momento desta semana, anteontem, as perdas acumuladas em setembro chegaram a superar as de agosto (-3,44%), quando a recuperação iniciada em abril foi interrompida.

“No intradia, o Ibovespa foi hoje ao menor nível da semana (95.631,74), que passa a ser observado como referência de suporte para a próxima. A semana começou com a perda da linha de 97,5 mil, levando o índice à região dos 96 mil. Se perder os 95,6 mil, os suportes seguintes estão aos 95,0 e 93,8 mil. No lado oposto, há resistência importante aos 98,3 mil que, rompida, pode levar o índice de volta aos 100,5 mil pontos”, observa Rodrigo Barreto, analista gráfico na Necton. “Há muita fraqueza ainda (para uma reação sustentada), especialmente nas ações de bancos.”

No exterior, “apesar da melhora americana, conforme citado por (Jerome) Powell (presidente do Fed) em seus depoimentos (desta semana), há sensibilidade na economia do país, como pode ser evidenciado pelos dados do mercado de trabalho e pela necessidade de estímulos”, observa em nota a Nova Futura Investimentos. Ontem, declarações da presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, proporcionaram algum ânimo sobre a eventualidade de superação do impasse entre democratas e republicanos quanto a uma nova rodada de estímulos fiscais – mas permanece a dúvida sobre o horizonte viável, se antes ou depois da eleição de novembro.

“O otimismo que resultou do reinício das negociações entre democratas e republicanos está desaparecendo rapidamente. Os democratas reiniciaram as negociações com proposta de US$ 2,4 trilhões em estímulos, quase US$ 1 trilhão a mais do que o presidente Trump estaria disposto a apoiar”, observa em nota Edward Moya, analista de mercado financeiro da OANDA em Nova York.

Neste contexto mais avesso ao risco, as bolsas da Europa fecharam hoje mais uma vez em terreno negativo – à exceção de Londres, em leve alta de 0,34%, após ter liderado perdas no dia anterior -, refletindo a cautela em torno da segunda onda de Covid-19 no velho continente. Tal preocupação começa a chegar aos preços dos ativos listados na B3, visível nesta sexta-feira nas ações de administradoras de shoppings, como Multiplan (-2,99%), maior perda do Ibovespa na sessão, e Iguatemi (-2,28%), terceira maior queda do índice nesta sexta-feira.

O dia também foi majoritariamente negativo para segmentos de maior peso, como os de commodities (Petrobras PN -1,32% e ON -1,05%), bancos (Santander -0,87%), siderurgia (Usiminas -1,25%) e utilities (Cemig -2,23%, quarta maior perda do Ibovespa na sessão). No lado oposto, destaque para Suzano (+4,65%) e Via Varejo (+3,99%) na liderança do índice nesta sexta-feira. Vale ON subiu 1,01%.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?

Tópicos

bolsa Ibovespa