Edição nº 1100 14.12 Ver ediçõs anteriores

A Bolsa brinda a estabilidade

A Bolsa brinda a estabilidade

Foi um desempenho digno de nota. O índice Bovespa fechou em sua máxima histórica, aos 75 mil pontos, espantando quem – fora do habitat natural dos financistas – imaginava que o Brasil estava afundando na sua crise política. Quem se move guiado por sinais cartesianos nunca vai entender mesmo o que embala o ânimo dos investidores na Bolsa de Valores. Mas a regra é simples: estabilidade de indicadores macroeconômicos e governo com credenciais para seguir em frente na sua gestão rimam com lucro. Especialmente esse segundo fator pesa bastante.

No momento exato em que ficou claro que a administração Temer deve concluir seu mandato sem maiores sobressaltos – salvo denúncias laterais que devem se arrastar sem maiores consequências – o mercado pagou o preço da aposta a favor de um cenário positivo pela frente. A prisão do empresário Joesley, o afundamento das denúncias do procurador atrapalhado Rodrigo Janot e mesmo as destemperadas revelações do ex-ministro Palocci contra Lula só ajudaram no caldo de otimismo que vem prevalecendo na praça. Investidores americanos, principalmente, voltaram a mirar papéis brasileiros, lançando-os como preferenciais, após quase três anos de prolongada quarentena.

Já em 2016 o aporte dos americanos aqui cresceu cerca de 31% (o maior aumento entre os 30 principais destinos contemplados com esses recursos) e continua em curva ascendente. São razoavelmente sólidos os fatores que sustentam o crescimento do Produto Interno Bruto, a ponto de o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, avaliar que o ano pode ser encerrado com a grata surpresa de um PIB na casa dos 2% positivos. Seria extraordinário! Nas palavras de Meirelles, o Brasil prepara-se para um 2018 excepcional, apesar da eleição e da situação fiscal ainda indefinida. A lógica a mover esse pensamento está baseada nos indicadores: os juros e a inflação em queda acelerada propiciam ambiente seguro para se empreender e, por tabela, para a geração de empregos.

No movimento virtuoso de avanço, a atividade econômica é beneficiada de maneira acelerada. O País se encontrava muito abaixo do fundo do poço, no chamado volume morto, e a saída dessa situação naturalmente animou os players. Enquanto analistas e economistas de plantão teimavam em falar de uma recuperação lenta, os traders, já antevendo perspectivas de ganho, fizeram suas inversões no novo quadro. Não é, obviamente, um jogo ganho. A recuperação não ocorre por inércia. Para consolidá-la serão necessárias ainda medidas duras, entre as quais as reformas. Por essa via é que a estabilidade macroeconômica se consolidará e a resposta que começou nos pregões ganhará as ruas.

(Nota publicada na Edição 1036 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Estados em convulsão

A bomba fiscal dos estados e municípios está prestes a explodir. De novo. Por um conjunto de ineficiências, é verdade. Mas também [...]

Está na hora de mostrar serviço

Do espetáculo a prática, o governo Bolsonaro precisa o quanto antes, nessas semanas que antecedem a posse, sair da tática de abertura [...]

A encruzilhada do Brexit

A primeira-ministra da Inglaterra, Teresa May, está penhorando seu próprio destino na malograda experiência do Brexit. Desde que foi [...]

O que há de errado com o talento dos brasileiros?

O povo brasileiro é reconhecido internacionalmente por suas habilidades na música e no futebol. Fazemos um Carnaval que é a festa [...]

A ajuda de quem conhece

Um grupo formado por mais de 200 economistas, analistas e especialistas de mercado resolveu se reunir com um propósito comum: [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.