Negócios

BNDES recebeu 73 propostas para investir R$ 4 bilhões em 10 FIDCs

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) recebeu 73 propostas para investir até R$ 4 bilhões em no máximo 10 fundos de crédito – Fundos de Investimento em Direitos Creditórios, os FDICs – para empresas de menor porte, como clientes de companhias de maquininhas de pagamento, marketplaces e fintechs. Foram pré-selecionadas 12 propostas, entre as quais serão escolhidas até 10, após um processo de “análise e diligência”, informou a instituição de fomento.

Os FIDCs serão estruturados por companhias de meios de pagamento, plataformas de marketplace(sites de comércio eletrônico e aplicativos de entrega a domicílio) e “fintechs”, as empresas financeiras que usam tecnologia digital.

Entre as 12 pré-selecionadas, estão propostas de empresas como Cielo, Pagseguro, Stone (no caso dos meios de pagamento), B2W e Magazine Luiza (plataformas de marketplace). As propostas das fintechs tinham de ser feitas por gestores de recursos. Entre os pré-selecionados estão BRPP Gestão de Produtos Estruturados, Captalys Gestão, Nova SRM, Solis Investimentos, em parceria com Augme Capital, e XP Vista Asset Management.

Segundo o BNDES, as 73 propostas encaminhadas somariam patrimônio total de R$ 24 bilhões. As 12 pré-selecionadas somam R$ 6,1 bilhões, mas o máximo de 10 que serão efetivamente estruturados terão patrimônio de até R$ 5 bilhões – R$ 1 bilhões de recursos privados, mais R$ 4 bilhões aportados pelo BNDES. Os executivos do banco de fomento comemoraram a elevada quantidade de propostas.

Para o chefe do Departamento de Gestão de Investimentos em Fundos, Filipe Borsato, o resultado mostra que há demanda por FIDCs. “O número de propostas superou nossas expectativas. Existe interesse em novas estruturas de canais de crédito”, afirmou o executivo, em transmissão ao vivo pela internet para divulgar os resultados.

Segundo o diretor de Participações, Mercado de Capitais e Crédito Indireto do BNDES, Bruno Laskowsky, a elevada demanda é um sinal de que há espaço para o banco seguir na direção de fomentar fundos do tipo como uma estratégia para diversificar os canais de acesso ao crédito. “Em mercados como o americano, o crédito privado não bancário já tem porcentuais bastante relevantes”, afirmou Laskowsky.

Durante a transmissão ao vivo, que não abriu espaço para questionamentos por parte de jornalistas, o diretor do BNDES evitou citar um prazo para os novos Fidcs começarem a funcionar. O interesse do banco é “fazer o mais rápido possível”, segundo o executivo. Em maio, quando foi lançada a chamada para selecionar as propostas, Laskowsky havia estimado que os fundos poderiam começar a emprestar entre o fim de junho e o início de julho, mas o processo atrasou.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel