Negócios

Em alta velocidade

A BMW planeja 20 lançamentos para 2018. Confiando na retomada do mercado, é a chance de fazer valer seus investimentos de mais de R$ 800 milhões nos últimos três anos

Crédito: Gabriel Reis

Alvarez, da BMW: novos caminhos no setor premium e foco contínuo em qualidade (Crédito: Gabriel Reis)

A julgar pelos planos da alemã BMW, o mercado de veículos de luxo brasileiro terá um ano movimentado em 2018. A empresa está preparando uma forte ofensiva. “Serão mais de 20 novidades entre motocicletas e automóveis”, afirma o presidente do Grupo BMW Brasil, Helder Boavida. Trata-se de uma notícia surpreendente, em um contexto ainda desfavorável para o mercado automotivo. O segmento premium, destinado ao público de alta renda, apresentou uma piora em relação ao ano passado. “A BMW também teve uma queda nas vendas neste ano,mas menor do que a média do setor”, diz Federico Alvarez, diretor da BMW Motos Brasil, referindo-se ao cenário para motocicletas.

De fato, enquanto o mercado caiu 30% no período, de acordo com o executivo, a montadora recuou apenas 6%. Mas seu otimismo vem da perspectiva de uma retomada no setor, já no ano que vem. Segundo Boavida, tanto o mercado de quatro rodas quanto o de duas deverão crescer em 2018. Caso isso se confirme, será a chance de fazer valer os investimentos que a BMW fez no Brasil nos últimos anos. Em 2014, a empresa inaugurou uma fábrica de automóveis na cidade de Araquari, em Santa Catarina; dois anos depois, outra fábrica, mas de motocicletas, começou a operar em Manaus. Os aportes nas duas unidades somaram mais de € 210 milhões de euros, o equivalente a mais de R$ 800 milhões.

Helder boavida Presidente do Grupo BMW Brasil: “Tanto o mercado de quatro rodas quanto o de duas rodas tendem a crescer em 2018” (Crédito:Diego Padgurschi)

O problema é que, justamente nesse período, o mercado automotivo enfrentou um momento de baixa. No ano passado, por exemplo, a venda de automóveis caiu 20%, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Os lançamentos previstos incluem modelos das marcas BMW, MINI, de carros, e Motorrad, de motocicletas. Dentre os produtos confirmados estão os carros BMW X3 e BMW X2 e a moto BMW G 310 GS, apresentada durante o Salão Duas Rodas, em São Paulo, no mês passado. Segundo o executivo da divisão de motos, o objetivo para 2018 é aumentar as vendas em 30%. Neste ano, Alvarez espera vender entre seis e sete mil motos no País.

A meta é ousada, mas possível, de acordo com especialistas de mercado. “O comprador da BMW costuma ser fiel à qualidade da montadora e é menos afetado por momentos de instabilidade econômica. Por isso, não falta demanda”, analisa André Beer, consultor com mais de 50 anos de experiência no mercado automotivo. Atualmente, a rede de distribuição do grupo no País conta com 49 concessionárias BMW, 29 Mini e 39 da BMW Motorrad. Hoje, 99% das motos da marca vendidas no Brasil são produzidas em Manaus. Ainda assim, a unidade não opera em sua capacidade máxima, de dez mil motocicletas por ano.

A fábrica amazonense recebeu um aporte de € 4 milhões, em maio, e passou a fabricar novos modelos, como a motocicleta BMW G 310 R. O modelo, lançado este ano, marcou a entrada da empresa no segmento de motos médias, abaixo de 500 cilindradas – a motocicleta, que custa R$ 21,9 mil, é a mais barata da marca no Brasil. Trata-se de um produto mais acessível aos bolsos do consumidor e que compete em um mercado dominado por fabricantes mais “populares”, como Honda e Yamaha. Mas isso não deve se transformar em uma tendência para o futuro. “Não vamos concorrer com a Honda”, diz Alvarez. “Nosso foco é a qualidade.”

Luxo sobre rodas: um dos modelos que deve ser lançado no Brasil, o BMW X3, está previsto para o primeiro trimestre (Crédito:Uwe Fischer)

Nesse sentido, a empresa investiu R$ 5 milhões desde 2014 em um programa global de certificação e auditoria em funilaria e pintura na sua rede de concessionárias. A certificação busca padronizar os processos para garantir a qualidade no serviço e preservar as características originais dos veículos, fortalecendo o relacionamento com o consumidor premium. Afinal, apesar de ter ampliado o público com uma moto mais “em conta”, os modelos de duas rodas da marca, disponíveis no Brasil, chegam a custar até R$ 490 mil, caso da HP4 Race, a moto mais cara exposta no último Salão Duas Rodas, entre todas as montadoras. Já no caso dos veículos, os preços começam em R$ 164,9 mil (BMW 320i Sport) e chegam a R$ 799,9 mil (BMW i8). Não é para qualquer bolso.