Edição nº 1052 12.01 Ver ediçõs anteriores

Trump parte para a briga com as potências

Trump parte para a briga com as potências

Dias antes de assumir o comando da maior potência mundial, Donald Trump entrou em rota de colisão com a China, criou um mal estar com a chanceler alemã Angela Merkel e irritou o presidente francês François Hollande. Trump, ainda personagem de si mesmo, que se porta como um elefante em uma loja de porcelanas, disse que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) era obsoleta e que mais países deixariam a União Europeia a exemplo do Reino Unido. Mostrou seu desprezo pela globalização e intensificou os ataques às empresas que produzem fora dos Estados Unidos, sobretudo às que fabricam no México e na China.

Ao contrário do que muitos imaginavam, Trump não mudou seu comportamento desde que foi alçado ao posto de homem mais poderoso do mundo. E, ao que parece, o 45o presidente dos Estados Unidos não vai mudar. Diante de tantas incertezas, o certo é que ele já ocupa o Salão Oval da Casa Branca e tem tudo para chacoalhar a economia global, intensificando a onda de protecionismo e gerando uma guerra fiscal entre países. O principal alerta veio do Fundo Monetário Internacional (FMI), que divulgou um relatório apontando para um confronto comercial entre os Estados Unidos e a China.

Sinal dos tempos, um mundo que parece estar de ponta cabeça, foi justamente do presidente chinês Xi Jinping que veio um discurso a favor da globalização, em sintonia com o que o Ocidente sempre praticou. “A China manterá suas portas sempre abertas”, disse Jinping. “Os problemas que preocupam o mundo não são causados pela globalização.” Trump parece ignorar essa tese. Já implodiu a Parceria Transpacífico (TPP), o acordo de livre comércio negociado por Obama, e promete renegociar o Nafta.

Mais do que isso: o presidente americano passou a perseguir as empresas que produzem em outros países para depois vender nos Estados Unidos. Naturalmente amedrontadas, muitas delas começaram a rever suas políticas de investimentos para não terem seus produtos sobretaxados. A montadora Ford, por exemplo, desistiu de investir US$ 1,6 bilhão no México, a GM anunciou que investiria US$ 1 bilhão para garantir a permanência de mil empregos nos EUA e a coreana Hyundai declarou que destinaria US$ 3,1 bilhões para uma planta industrial no país.

Uma das poucas que peitou Trump foi a alemã BMW, que manteve o plano de aportar US$ 2,2 bilhões no México até 2019 e não se intimidou com a ameaça explícita. O presidente americano foi direto ao ponto. “Eu diria à BMW que, se estiver construindo uma fábrica no México e planeja vender carros para os Estados Unidos sem contar com um imposto de 35%, você pode esquecer isso.” No setor têxtil, o temor é equivalente. Cerca de 97% das roupas vendidas nos Estados Unidos são importadas e as grifes estão repensando seus modelos de produção.

O grupo de luxo LVMH, dono da Louis Vuitton e outras poderosas marcas, anunciou que pretende abrir uma fábrica no Texas, um sacrilégio em se tratando de um conglomerado que se orgulha de ser europeu. O ministro de Finanças da Alemanha, Wolfgang Schäuble, disse que o país está pronto para a batalha fiscal, caso seja necessário. Cabe ao Brasil aproveitar o embate entre as potências comerciais e repensar sua relação com os Estados Unidos. Até agora, Trump não deu sinais de que o País está na sua mira. E isso, acredite, é uma boa notícia.

(Editorial publicado na Edição 1002 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A receita do China In Box

Em tempos de concorrência acirrada e polpudos investimentos em fast food, como a recente compra da operação brasileira da Pizza Hut e [...]

Saúde sem susto

Se existem setores promissores no Brasil, um deles, com certeza, é o de saúde privada. A falência do sistema público de saúde e os [...]

A recuperação da classe C

Juros mais baixos, queda no desemprego e diminuição do endividamento. Essa é a fórmula que fará as famílias de baixa renda voltarem a [...]

“O mercado de luxo nunca esteve tão forte”

Entrevista com Matthew Upchurch, CEO da Virtuoso

Frase da semana

“Posso dizer quase com certeza que as moedas virtuais terão um fim ruim” Warren Buffett, megainvestidor americano (Nota publicada na [...]
Ver mais

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.