Edição nº 1074 15.06 Ver ediçõs anteriores

Com aumento de queixas, Uber investe R$ 200 milhões no Brasil

Com aumento de queixas, Uber investe R$ 200 milhões no Brasil

O aplicativo americano de compartilhamento de veículos Uber anunciou, na terça-feira 17, que está investindo R$ 200 milhões em sua operação na cidade de São Paulo. A companhia abriu uma central de atendimento que deve empregar sete mil pessoas. Com isso, o Uber espera melhorar o suporte técnico em toda a operação da companhia no País, presente em 40 cidades. O movimento da empresa, comandada por Travis Kalanick, ocorre depois que a startup começou a enfrentar um aumento de reclamações de seus consumidores. Nos últimos 30 dias foram feitas mais de cinco mil queixas contra a empresa no site Reclame Aqui. No Brasil, a concorrência deve ficar mais pesada. A 99, por exemplo, acaba de receber um aporte de R$ 100 milhões da chinesa Didi Chuxing, rival do Uber.

(Nota publicada na Edição 1002 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Bilionários sustentáveis

Duas startups americanas com projetos de desenvolvimento sustentável estão na mira dos principais bilionários do mundo da tecnologia. O [...]

Frase da semana

“Não acredito que todas as cidades nos odeiam. Já pagamos US$ 500 milhões em impostos. Em breve, seremos o maior pagador de impostos de [...]

A era das fintechs

(Nota publicada na Edição 1074 da Revista Dinheiro)

Novela milionária

A batalha judicial entre Apple e Samsung ganhou um novo capítulo na semana passada. A fabricante coreana não aceitou pagar uma multa de US$ 539 milhões por ter infringido patentes registradas pela empresa da maçã que diziam respeito a detalhes do design do iPhone. De acordo com o site americano Law360, a Samsung recorreu da […]

Resposta instantânea

Guilherme Martins, CEO da PlayKids, empresa de streaming de conteúdo infantil
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.