Inspiração americana

Inspiração americana

O Centro Universitário Celso Lisboa vem se inspirando em universidades conceituadas nos EUA para acelerar a sua expansão pelo Rio de Janeiro. A ideia é estimular, por meio de aulas de empreendedorismo, a criação de empresas pelos alunos. Não à toa, a faculdade deixará de cobrar notas em provas para avaliar o rendimento em projetos práticos solicitados durante as aulas. “Se meu aluno criar uma startup de sucesso, mas não terminar o curso, eu ficarei feliz do mesmo jeito”, diz Rodolfo Bertolini, CEO da universidade. Com isso, a empresa, que faturou R$ 39 milhões no ano passado, quer triplicar de tamanho em quatro anos. O número de campi passará de um para cinco e o de alunos atingirá 25 mil, contra 8 mil atualmente. A previsão é que o faturamento alcance R$ 200 milhões.

(Nota publicada na Edição 1001 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Luís Artur Nogueira e André Jankavski)


Mais posts

Vigilância reforçada

Roberta Yoshida O projeto Drone Pol SP, da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, recebeu na semana passada 100 drones da marca [...]

Elo com a Adyen

A Adyen, processadora de pagamentos de empresas como Magazine Luiza, Uber e iFood, anunciou parceria com a Elo para processar cartões [...]

Imagem em expansão

Depois de adquirir outras três companhias – entre elas a Codex Remote, que fornece serviços e soluções de geoprocessamento e [...]

Um oásis no centro de tudo

Em uma travessa da Av. Brigadeiro Faria Lima, novo coração financeiro, tecnológico e gastronômico de São Paulo, o empreendimento Praça [...]

Em busca do aporte chinês

A plataforma de serviços financeiros CrediGO, que tem entre seus cofundadores o chinês Stone Zheng e o brasileiro Bruno Chan, foi [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.