Ford elétrica

Ford elétrica

A decisão da Ford, segunda maior montadora dos Estados Unidos, de cancelar a construção de uma fábrica no México, anunciada na terça-feira 3, parece uma vitória do presidente eleito Donald Trump, crítico da exportação de postos de trabalho americanos. Pode ser, mas não por completo (leia mais na pág. 24). Há outros motivos para a mudança de ideia da Ford, que não estão exatamente alinhados com as políticas de Trump. No mesmo dia que anunciou a desistência, o presidente da empresa, Mark Fields, revelou um plano de investimentos de US$ 4,5 bilhões no setor de carros elétricos e autônomos, pelos próximos cinco anos. Os planos incluem o lançamento de uma versão híbrida (elétrica e a combustão) da picape F-150, veículo mais vendido na categoria e um ícone do consumo desenfreado de petróleo. A fabricação de veículos compactos a gasolina, que era o objetivo da fábrica mexicana, deverá ficar em segundo plano.

(Nota publicada na Edição 1000 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Meninas entram no mundo da robótica

O projeto As Donas da Robótica, do Instituto Francisca de Souza Peixoto, foi aprovado para receber aporte do Fundo da Infância e [...]

Sem trabalho infantil

É difícil encontrar alguém que não goste de chocolate. Mas há um problema por trás de sua produção que muita gente não imagina. A [...]

Energia limpa e 60% nacional

A turbina eólica Cypress, fabricada pela GE Renewable Energy, obteve o código Finame depois de o BNDES aprovar o credenciamento do [...]

Iberostar investe na economia circular

O grupo espanhol Iberostar, com três resorts no Brasil – dois na Bahia e um no Amazonas –, colocou a economia circular no centro de sua [...]

Suporte é ferramenta para evitar acidentes ambientais

Nos meios produtivos, o cumprimento de exigências ambientais depende muito da qualidade e do uso correto de determinados dispositivos. [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.