Ou o Brasil acaba com os juros, ou os juros acabam com o Brasil

Ou o Brasil acaba com os juros, ou os juros acabam com o Brasil

Duas notícias: uma ruim e uma boa. A ruim é que, pelo quarto ano consecutivo, as vendas de automóveis no País caíram em 2016. Pelos cálculos da Fenabrave, a associação que representa as concessionárias de veículos, foram emplacados 2.050.327 carros, caminhões e ônibus no Brasil, no ano passado, uma queda de 20,19% na comparação com 2015. Para se ter ideia do tamanho da encrenca, esse resultado é semelhante ao que foi registrado dez anos atrás. Para o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr., essa situação é resultado de uma tempestade perfeita, em que se destacam os juros altos, o desemprego e a falta de confiança do consumidor. A boa notícia é que, ao que tudo indica, a situação vai parar de piorar.

As vendas de veículos caíram 20,19% em 2016. O que explica uma nova queda tão forte do mercado?
A economia. O ano foi conturbado e a questão política deteriorou ainda mais o combalido ambiente econômico. Os juros altíssimos, o desemprego e a falta de confiança do consumidor. Tudo isso resultou nesse resultado tão baixo.

A Fenabrave prevê um crescimento de 2,32% em 2017. Isso significa que o setor já bateu no fundo do poço?
Nós temos uma crença muito grande de que já batemos no fundo do poço. Essa previsão é baseada em alguns pontos positivos da economia. Estamos saindo de uma queda do PIB de 3,5%, em 2016, para a projeção de expansão de 1% neste ano. Trata-se de um ritmo lento de reação, mas é um start para a volta dos indicadores positivos. Além disso, a frota brasileira é muito velha e precisará ser renovada, independentemente de aquisição para aumento de frota. Muitas aquisições foram postergadas nos últimos dois ou três anos. Acredito que, agora, elas terão de ocorrer.

Com a crise, o consumidor está mais receoso em tomar crédito, ou os bancos estão evitando conceder financiamentos? 
O banco está no seu direito de ter um maior rigor. O alto nível de desemprego e a desconfiança na capacidade de pagamento geram isso. Até mesmo quem está empregado corre o risco de perder o emprego, o que gera riscos aos bancos. Então, tanto o consumidor não está tomando empréstimo, quanto o banco não empresta.

Todas as categorias de veículos estão sofrendo o mesmo problema?
Os carros de menor valor estão sofrendo mais com a dificuldade de aprovação dos financiamentos, infelizmente.

Qual a sua expectativa para a taxa de juros neste ano?
Ou o Brasil acaba com os juros, ou os juros acabam com o Brasil. Como a inflação está sob controle, voltando para dentro dos limites do teto da meta, conseqüentemente há espaço para redução dos juros. Nossa crença é que, até o final deste ano, esteja na casa de um dígito.

(Nota publicada na Edição 1000 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Luís Artur Nogueira e André Jankavski)

Veja também

+ Receita abre consulta a segundo lote de restituição de IR, o maior da história
+ Homem encontra chave de fenda em pacote de macarrão
+ Baleias dão show de saltos em ilhabela, veja fotos!
+ 9 alimentos que incham a barriga e você não fazia ideia
+ Modelo brasileira promete ficar nua se o Chelsea for campeão da Champions League
+ Cuide bem do seu motor, cuidando do óleo do motor
+ 12 dicas de como fazer jejum intermitente com segurança


Mais posts

Banco digital para os de memória curta

Aplicativo do cartão de crédito, do programa de fidelidade, da conta bancária, da corretora de investimentos… Se antes o problema [...]

Fala que o robô te escuta

Nunca se falou tanto com robôs quanto na pandemia. Um levantamento da Deep Center, empresa de TI e Inteligência Artificial, mostra que houve uma redução de 15% do número de atendentes humanos ativos dentro de 98% dos contact centers no Brasil. Enquanto isso, foi registrada uma alta de 83% no volume de chamadas provenientes de […]

A estranha fórmula do Starbucks

A operação brasileira da rede Starbucks dá sinais contraditórios sobre seus planos no País. Durante a pandemia, com grande parte das [...]

Na crise, até barco é virtual

A pandemia da Covid-19 vem mudando o lazer dos consumidores e os negócios, inclusive no setor náutico. Em tempos de isolamento social, [...]

“O consumidor será mais cauteloso”

O economista Luis Eduardo da Costa Carvalho, fundador e presidente do conselho da Lecca Financeira e Investimentos, assume em agosto a [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.