Edição nº 1057 16.02 Ver ediçõs anteriores

Os dez fatos mais marcantes do setor de tecnologia em 2016

Os dez fatos mais marcantes do setor de tecnologia em 2016

1 – Uma rede bilionária
Em junho, a Microsoft anunciou a compra da rede social corporativa LinkedIn por US$ 26,6 bilhões. Foi o maior valor já desembolsado pela empresa de Bill Gates.

2 – Inteligência Artificial
No ano em que o computador do Google venceu um humano no milenar jogo chinês GO, empresas Facebook, Apple e IBM aprofundaram seus negócios nesse segmento.

3 – Carros autônomos 
Em setembro, o Uber iniciou os testes de um carro autônomo em Pittsburgh (EUA). O Google criou a Waymo, uma empresa para cuidar dos veículos sem motoristas.

4 – A febre da realidade aumentada
O Pokémon GO, uma parceria da Niantic com a Nintendo, 
tornou-se uma febre em agosto. O jogo faturava US$ 2 milhões por dia, em outubro, com 550 milhões de downloads.

5 – A maior recuperação da história
Em setembro, a Oi, maior operadora de telefonia fixa e a quarta em telefonia móvel do País, apresentou plano de recuperação judicial com uma dívida de R$ 65,4 bilhões.

6 – Snapchat finca bandeira no Brasil
Em outubro, a rede social Snapchat chegou ao Brasil por meio de um escritório de representação. Com isso, acirrou a concorrência com Facebook, Instagram, Twitter e LinkedIn.

7 – A palavra do ano
A Universidade de Oxford escolheu o termo pós-verdade como a palavra do ano, que simboliza que a verdade perdeu a importância. É uma referência às notícias falsas no Facebook e Google que teriam influenciado a eleição nos EUA.

8 – Os hackers russos
A Rússia esteve por trás da eleição do republicano Donald Trump à presidência dos EUA. É o que investigam a CIA e FBI, as principais agências federais de investigação dos EUA.

9 – A bomba relógio da Samsung
Em outubro, a Samsung suspendeu a venda do Galaxy Note 7 após explosões de baterias, que tiveram início em setembro. A empresa fez recall de 2,5 milhões de telefones.

10 – Para onde vai o Twitter
Incapaz de elevar o número de assinantes, o Twitter foi colocado à venda, mas não houve compradores. Google, Microsoft, Disney e Salesforce eram os interessados.

(Nota publicada na Edição 999 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Apuro digital

(Nota publicada na Edição 1057 da Revista Dinheiro)

Novos ares para Peter Thiel

Peter Thiel está de mudança do Vale do Silício. O fundador do PayPal está levando seus negócios de São Francisco para Los Angeles. De [...]

Reforço contra o crime digital

A Polícia Federal ganhou um aliado de peso na batalha contra os crimes virtuais no Brasil. A unidade policial do Departamento de [...]

Sem acordo (por enquanto)

A Qualcomm não será vendida para a Broadcom. Pelo menos, por ora. A fabricante de chips não aceitou uma proposta de compra por US$ 82 [...]

Um trimestre para sorrir

Pela primeira vez desde que estreou na bolsa de valores, em 2013, o Twitter conseguiu fechar um trimestre com lucro. Nos três últimos [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicações Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.